Guga Playboy confirma a data da gravação do seu primeiro DVD

Está definido! Será no dia 26 de abril que Guga Playboy vai gravar o seu primeiro DVD. A temática do projeto terá como referência grandes festivais internacionais, com cenário, estrutura e iluminação de cinema! Os convidados vivenciarão uma experiência única e cheia de emoção. O evento será exclusivo, com a participação de grandes amigos e convidados.

Após o enorme sucesso do clipe “Me Ame ou Me Deixe”, que repercutiu nacionalmente e alcançou mais de 300 mil visualizações só no YouTube, o cantor Guga Playboy está nos preparativos finais para um novo projeto que será um novo divisor de águas da sua carreira, a gravação do seu primeiro DVD com um resgate de sua toda a sua história e perspectivas de construção do futuro.

O trabalho será intitulado “Uma História a Ser Contada”. A gravação contará com muitos convidados especiais e grandes artistas que farão participações em suas músicas. O evento será exclusivo para convidados, mas a produção do evento não descarta a possibilidade de disponibilizar ingressos para os fãs do artista.

“Estou num momento em que me encontrei na música. Onde definitivamente sei que caminho seguir. Sei qual estrada trilhar. É isso que eu quero e eu vou lá e vou fazer. Tenho grandes amigos e parceiros ao meu lado e com muita fé em Deus e confiança chegaremos lá. Será uma grande festa. Quero todos os meus amigos lá, meus parceiros e todas as pessoas que me ajudaram durante minha carreira”, comemora Guga.

A produção do DVD será de Ricardo Lago junto dos empresários Marquinhos Carrera, Rodrigo Machado, Ravi Brito, Alex Padang e equipes de produção parceiras como Ajax Sonorização.

Mais sobre Guga Playboy:
Desde os nove anos de idade, quando seu pai, ‘Seu’ Geraldo, o presenteou com um violão, Guga já tinha ideia do que queria para a vida: Cantar. Foi na infância em Santa Cruz, interior do estado do Rio Grande do Norte, que ele desenvolveu suas habilidades e passou a correr atrás do sonho de tornar-se um artista de sucesso.

“Foi sofrido. Comecei tocando em calçadas de cidades, em festas de amigos. Cheguei a viajar para o Rio de Janeiro. Me apresentava nas calçadas de lá. Com o dinheiro que juntei, comprei meu primeiro teclado, foi minha primeira realização como artista”. De lá pra cá, muita coisa mudou. Muito evoluiu. Foram muitos altos e baixos”, conta.

Sucessos como “Meu Pai Não Entende”, “Ei Véi”, “Festa Americana” e “Pra Lavar Meu Pé” o consagraram como o “Poeta dos Paredões”. Suas músicas passaram a ser tocadas nos famosos “Paredões”, os sons automotivos que são vistos em todos os locais na maior parte das cidades do RN. Foi o gatilho para a determinação do sucesso.

 

 

ORQUESTRA SINFÔNICA DO RN PROMOVE NOITE ESPANHOLA

Uma noite espanhola em Natal! O projeto Movimento Sinfônico (Quartas Clássicas) da Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte confirma participações de renome para apresentação no dia 25 de abril, no Teatro Riachuelo, às 20h.

As convidadas para o II concerto oficial de 2018 são as espanholas Laura Alonso Padin (foto de capa) e Conchi Moyano.

Seguindo o propósito do projeto em tornar música clássica acessível a todos, a entrada é gratuita e acontece sempre na última quarta-feira do mês.

As espanholas, junto a OSRN e seu maestro Linus Lerner, apresentarão árias de óperas e zarzuelas.

Entre as árias de operetas, estão: La Boda de Luis Alonso, La Tempranica, La Revoltosa. Além da ópera “Carmen” intercalada por obras orquestrais de compositores espanhóis.

Ingressos gratuitos

A reserva prévia do primeiro lote estará disponível no site www.orquestrasinfonicadorn.com.br a partir do dia 18 de abril ao dia 19, ou, até esgotar o lote.

A retirada do ingresso reservado pelo site será realizada na Fundação José Augusto, sob a apresentação do CPF e documento com foto.

Cada cadastro terá direito a dois ingressos para a noite espanhola da OSRN.

As entradas que não forem retiradas, vão automaticamente para o segundo lote, a ser distribuído na bilheteria do Teatro Riachuelo, a partir das 12h, do de 25 de abril, dia da apresentação.

O projeto Quartas Clássicas da OSRN conta com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Natal, Lei Djalma Maranhão, Unimed Natal, Governo do RN, Fundação José Augusto, Lei Câmara Cascudo, Cosern e CEI Mirassol.

Apoios Camarões, Poti Restaurante, Restaurante La Cachette, Aquária Natal Hotel, G7 Comunicação e Lado A.

Apoio cultural Teatro Riachuelo e Opus e a realização é da M.A.P.A Realizações Culturais.

Programa

– La Boda de Luis Alonso e Zapateado (La Tarantula) da Zarzuela “La Tempranica – Gerónimo Giménez

– La Revoltosa (Preludio) e Las Hijas de Zebedeo da Zarzuela Carceleras – Ruperto Chapí

– Preludio e Aragonese; Intermezzo dda “Carmen Suíte No. 1” e Seguidilla e Habanera da ópera Carmen – Georges Bizet

– La Canción del Olvido da Zarzuela “La Canción del Olvido” –  Jose Serrano

– La Vida Breve (Dança Espanhola No. 1) – Manuel de Falla

– Capriccio Espagnol, op. 34 – Nikolai Rimsky-Korsakov

Maestro: Linus Lerner

Movimento Sinfônico – Quartas Clássicas

Data: 25 de abril de 2018

Local: Teatro Riachuelo Natal – Shopping Midway Mall

Av. Bernardo Vieira, 3775 – 3° Piso

Horário: 20h

Entrada gratuita

Eleição presidencial já tem 16 pré-candidatos oficializados

A exatos seis meses da eleição presidencial deste ano, pelo menos 16 nomes já se colocaram publicamente na disputa. Os partidos devem anunciar seus pré-candidatos até o início de agosto, quando termina o prazo para cada legenda definir as candidaturas nas convenções.

Dentre os concorrentes ao pleito, há ex-presidentes, senadores, deputados, ex-ministros e até um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal.

Aldo Rebelo – Solidariedade

O partido Solidariedade lançou nesta segunda-feira (16), na capital paulista, a pré-candidatura do ex-ministro e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo, à Presidência da República. “O Solidariedade é uma legenda que tem identidade com meu pensamento, minha trajetória, meus valores e com as perspectivas que eu tenho”, disse Aldo Rebelo.

Segundo ele, sua candidatura pretende buscar a união nacional em torno dos grandes interesses do país. Aldo destacou que vê como necessária a junção das forças políticas da direita e esquerda em prol do Brasil.  “Desde que os objetivos sejam comuns: a retomada do crescimento da economia, o desenvolvimento do país, a redução das desigualdades e a valorização da democracia, pois sem isso não há solução para nenhum dos impasses que o Brasil vive no momento”, disse.

Alagoano, Aldo Rebelo iniciou sua trajetória política em movimentos contra a ditadura militar e no movimento estudantil dos anos 80. Foi deputado federal por seis mandatos consecutivos, chegando a presidir a Câmara dos Deputados entre 2005 e 2007. Foi também ministro nas áreas de Ciência e Tecnologia, Esporte e Defesa.

Álvaro Dias – Podemos

O senador Álvaro Dias será o candidato do Podemos. Eleito senador em 2014, pelo PSDB, Álvaro Dias migrou para o PV e, em julho do ano passado, buscou o Podemos, antigo PTN. Com a candidatura do senador, a legenda quer imprimir a bandeira da renovação da política e da participação direta do povo nas decisões do país por meio de plataformas digitais.

“Nós temos que rediscutir a representação parlamentar. Não somos senadores demais, deputados e vereadores demais? Está na hora de reduzirmos o tamanho do Legislativo no país, tornando-o mais enxuto, econômico, ágil e competente”, afirmou Dias, em entrevista concedida esta semana no Congresso Nacional.

O político, de 73 anos, está no quarto mandato de senador. De 1987 a 1991, foi governador do Paraná, à época pelo PMDB. Na década de 1970, foi deputado federal por três legislaturas e, antes, foi vereador de Londrina (PR) e deputado estadual no Paraná. Álvaro Dias é formado em História.

Ciro Gomes – PDT

Pela terceira vez concorrendo ao posto mais alto do Executivo, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes vai representar o PDT na disputa presidencial. Ao anunciar o seu nome como pré-candidato na última quinta-feira (8), o pedetista adotou um discurso contra as desigualdades e propondo um “projeto de desenvolvimento” para o país.

“Não dá para falar sério em educação que emancipe, não dá para falar sério em segurança que proteja e restaure a paz da família brasileira sem ter compromisso sério para dizer de onde vem o dinheiro”, disse, no ato de lançamento da pré-candidatura.

Ciro Ferreira Gomes tem 60 anos e é formado em Direito. Ele foi governador do Ceará por dois mandatos, ministro da Fazenda no governo de Itamar Franco e da Integração Nacional no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes, ocupou a prefeitura de Fortaleza e o cargo de deputado estadual. Em 1998 e 2002, ele foi candidato à Presidência, tendo ficado em terceiro e quarto colocado, respectivamente.

Fernando Collor – PTC

O senador e ex-presidente da República Fernando Collor vai concorrer pelo PTC. Ele foi presidente da República entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment e foi substituído pelo então vice-presidente Itamar Franco. Foi o primeiro presidente a ser eleito pelo voto direto após o regime militar (1964-1985).

Depois de ter os direitos políticos cassados, ele se candidatou ao Senado em 2006, tendo sido eleito, e reconduzido ao cargo em 2014. Antes de ocupar a Presidência, o jornalista e bacharel em Ciências Econômicas, formado pela Universidade Federal de Alagoas, foi governador de Alagoas (1986) e deputado federal (1982).

Em discurso em fevereiro na tribuna do Senado, Fernando Collor de Mello disse que sua pré-candidatura é a retomada de uma missão pelo país. E afirmou que pretende alavancar novamente o país, mediante um novo acordo com a sociedade. “Isso só será possível com planejamento e com sólido programa social que seja tecnicamente recomendável, politicamente viável e socialmente aceito”, destacou.

Flávio Rocha – PRB

O empresário Flávio Rocha é o pré-candidato pelo PRB, legenda ao qual se filiou em março.

Pernambucano, Flávio Gurgel Rocha exerce atualmente a função de CEO do Grupo Guararapes, um dos maiores grupos empresariais do país. “Nós temos sim a responsabilidade de colocar o Brasil nos trilhos da prosperidade. Essa prosperidade é resultado de liberdade econômica e política. É para isso que estou de casa nova, no PRB”, disse Rocha no dia do lançamento da pré-candidatura.

Já foi eleito deputado federal por duas vezes (1987-1990/1991-1994) e membro da Assembleia Nacional Constituinte. Foi um dos fundadores do IDV (Instituto de Desenvolvimento do Varejo). Ele é casado e pai de quatro filhos.

Geraldo Alckmin – PSDB

Após a desistência de outros quadros da sigla, o PSDB oficializou, no último dia 20, a pré-candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Esta será a segunda vez que ele disputará a vaga. Em dezembro do ano passado, em uma movimentação para unir os demais quadros tucanos em torno de sua candidatura, Alckmin foi eleito presidente nacional do PSDB.

Na entrevista coletiva em que anunciou a pré-candidatura, Alckmin afirmou que irá destravar a economia e colocou como prioridades a desburocratização, uma reforma tributária, retomar a agenda da reforma da Previdência e reduzir os juros.

Geraldo Alckmin tem 65 anos, é formado em medicina e é um quadro histórico do PSDB em São Paulo. Ele começou a carreira como vereador em Pindamonhangaba, no interior do estado. Foi prefeito da cidade, deputado estadual e deputado federal na Assembleia Nacional Constituinte. Vice-governador de 1995 a 2001, ele assumiu a administração paulista após a morte de Mário Covas, sendo reeleito em 2002. Disputou o Planalto em 2006, quando foi derrotado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no 2º turno. Eleito em 2010 para mais um mandato à frente do governo de São Paulo, Alckmin foi reeleito em 2014.

Guilherme Boulos – PSOL

Depois de uma consulta interna que contou com outros três nomes, o PSOL decidiu lançar a pré-candidatura de Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), após ele se filiar à sigla no início do mês de março. Repetindo a estratégia das últimas eleições de apresentar uma opção mais à esquerda que os demais partidos, o PSOL participará com candidato próprio à corrida presidencial, que em 2010 e 2014 teve os nomes de Plínio de Arruda Sampaio e Luciana Genro na disputa.

Segundo Boulos, é preciso levar a indignação dos cidadãos para dentro da política. Como bandeiras de campanha, ele elencou o combate aos privilégios do “andar de cima” da economia e a promoção de plebiscitos e referendos de consulta à população sobre temas fundamentais. “Nós queremos disputar o projeto de país. Não teremos uma candidatura apenas para demarcar espaço dentro da esquerda brasileira. Vamos apresentar uma alternativa real de projeto para o Brasil”, afirmou.

Um dos líderes do movimento pelo direito à moradia no Brasil, Boulos ficou conhecido nacionalmente após as mobilizações contra a realização da Copa do Mundo no país, em 2014. Como liderança do MTST, ele organizou a ocupação de áreas urbanas, em especial no estado de São Paulo. Formado em Filosofia e Psicologia, Boulos tem 35 anos.

Jair Bolsonaro – PSL

Deputado federal na sétima legislatura, Bolsonaro se filiou ao PSL na última quarta-feira (7). Considerado polêmico por suas bandeiras, Jair Bolsonaro defende a ampliação do acesso a armas e um Estado cristão, além de criticar modelos de família, segundo ele, “não tradicionais”, como casamento homossexual.

“Nós temos propósitos, projeto e tudo para começar a mudar o Brasil. Nós somos de direita, respeitamos a família brasileira. Está na Constituição que o casamento é entre homem e mulher e ponto final.  Esse pessoal é o atraso, uma comprovação de que eles não têm propostas e que a igualdade que eles pregam é na miséria”, afirmou, durante o ato de filiação ao PSL. De acordo com o partido, ainda não há uma data de lançamento oficial da pré-candidatura.

Nascido em Campinas, Jair Messias Bolsonaro tem 62 anos. Ele é formado em Educação Física e militar de carreira. Ele foi para a reserva das Forças Armadas em 1988, após se envolver em atos de indisciplina e ser eleito vereador pelo Rio de Janeiro. Desde 1991, assumiu uma cadeira na Câmara dos Deputados. Foi eleito deputado em 2014 pelo PP, mas migrou para o PSC.

João Amoêdo – Novo

Com 55 anos, João Amoêdo é o candidato pelo partido Novo, que ajudou a fundar. Formado em engenharia e administração de empresas, fez carreira como executivo do mercado financeiro.

Amoêdo foi um dos fundadores do Partido Novo, que teve seu registro homologado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2015. A disputa presidencial em 2018 será a primeira experiência política dele.

Entre as principais bandeiras de Amoêdo, assim como do Partido Novo, estão a maior autonomia e liberdade do indivíduo, a redução das áreas de atuação do Estado, a diminuição da carga tributária e a melhoria na qualidade dos serviços essenciais, como saúde, segurança e educação. “É fácil acabar com a desigualdade, basta tornar todo mundo pobre. Ao combater a desigualdade você não está preocupado em criar riqueza e crescer, você só está preocupado em tornar todo mundo igual. O importante é acabar com a pobreza e concentrar na educação básica de qualidade para todos”, diz o candidato em sua página oficial na internet.

José Maria Eymael – PSDC

Já o PSDC confirmou no último dia 15 de março a pré-candidatura do seu presidente nacional, José Maria Eymael, que vai concorrer pela quinta vez.

Além de fundador do PSDC, José Maria Eymael é advogado e nasceu em Porto Alegre. Sua trajetória política começou na capital gaúcha, onde foi um dos líderes da Juventude Operária Católica. Em 1962, filiou-se ao Partido Democrata Cristão (PDC) e atuou como líder jovem do partido.

Em 1986, foi eleito deputado federal por São Paulo. Em 1990, conquistou o segundo mandato na Câmara dos Deputados. Como parlamentar federal, Eymael defendeu a manutenção da palavra Deus no preâmbulo da atual Constituição Federal durante a Assembleia Constituinte, considerado um marco em sua trajetória política.

Levy Fidelix – PRTB

Outro candidato recorrente ao pleito é o jornalista e publicitário Levy Fidelix, representando o partido do qual é fundador: PRTB. Abordando temas em defesa da família e dos “bons costumes”, ele buscará aproveitar o momento de insatisfação dos brasileiros com a corrupção para se dizer um candidato “ficha limpa”.

Fidelix concorreu ao cargo nas eleições de 2014, 2010 e de 1994.

Antes de criar o PRTB, Fidelix participou da fundação do Partido Liberal (PL), em 1986, quando se lançou na carreira política e disputou uma vaga na Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo. Depois, migrou para o Partido Trabalhista Renovador (PTR), quando também concorreu a um mandato de deputado federal, no início dos anos 90. Apresentador de televisão, professor universitário e publicitário, Fidelix já concorreu três vezes à prefeitura da capital paulista e duas vezes ao governo do estado.

Manuela D’Ávila – PCdoB

A deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manuela D’Ávila, será a candidata pelo PCdoB. A ex-deputada federal, por dois mandatos, teve a pré-candidatura lançada pelo partido comunista em novembro do ano passado. Esta é a primeira vez que o PCdoB lançará candidato próprio desde a redemocratização de 1988. Um dos motes da campanha será o combate à crise e à “ruptura democrática” que, segundo a legenda, o país vive.

“Trata-se de uma pré-candidatura que tem como algumas de suas linhas programáticas mais gerais a retomada do crescimento econômico e da industrialização; a defesa e ampliação dos direitos do povo, tão atacados pelo atual governo; a reforma do Estado, de forma a torná-lo mais democrático e capaz de induzir o desenvolvimento com distribuição de renda e valorização do trabalho”, escreveu a presidente nacional do partido, Luciana Santos, ao lançar a candidatura de Manuela D’Ávila.

Manuela D’Ávila tem 37 anos e é formada em jornalismo. Ela é filiada ao PCdoB desde 2001, quando ainda era do movimento estudantil. Em 2004, foi eleita a vereadora mais jovem de Porto Alegre. Dois anos depois, se candidatou ao cargo de deputada federal pelo Rio Grande do Sul e se tornou a mais votada do estado. Em 2008 e 2012, disputou a prefeitura da capital gaúcha, mas ficou em terceiro e segundo lugar, respectivamente. Desde 2015, ocupa uma vaga na Assembleia Legislativa do estado.

Marina Silva – Rede Sustentabilidade

A ex-senadora Marina Silva vai disputar a Presidência pela terceira vez consecutiva. Integrante da sigla Rede Sustentabilidade, Marina tem como plataforma a defesa da ética, do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável.

Ela é crítica do mecanismo da reeleição, que, segundo ela, se tornou um “atraso” no país. “Sou pré-candidata à Presidência para unir os brasileiros a favor do Brasil. Os governantes precisam fazer o que é melhor para o país e não o que é melhor para se perpetuar no poder. Chega de pensar apenas em interesses pessoais e partidários”, escreveu recentemente em seu perfil do Facebook.

Marina Silva militou ao lado do líder ambientalista Chico Mendes na década de 1980. Filiada ao PT, ela foi eleita vereadora de Rio Branco e deputada estadual, antes de ocupar dois mandatos de senadora representando o Acre. Por cinco anos, foi ministra do Meio Ambiente do governo Lula e se desfiliou do PT um ano após deixar o cargo. Ela foi candidata ao Planalto em 2010 pelo PV e, em 2014, assumiu a candidatura do PSB à Presidência após a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos.

Paulo Rabello de Castro – PSC

Até a semana passada no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o economista Paulo Rabello de Castro deixou o cargo para confirmar a disposição de disputar à Presidência. Segundo o PSC, embora não tenha promovido um ato de lançamento, a legenda já trabalha com a pré-candidatura como oficial. Desde fevereiro, ele participa de eventos partidários pelo país junto ao presidente da sigla cristã, Pastor Everaldo, que concorreu à Presidência no pleito de 2014.

As principais bandeiras do PSC são contra a descriminalização das drogas e a legalização do aborto. “Temos uma sociedade cujos valores morais estão completamente invertidos. Onde a arma na mão do bandido é uma arma livre, mas a arma na sua mão é proibida. E eventualmente você vai preso por portá-la. Quando o bom comportamento da família é zombado pelas novelas pornográficas e toda pornografia é enaltecida, como preservar a família nacional”, disse, durante recente ato.

Doutor em economia pela Universidade de Chicago, Paulo Rabello de Castro foi fundador da primeira empresa brasileira de classificação de riscos de crédito, a SR Rating, criada em 1993. Autor de livros sobre a economia e a agricultura brasileiras, o pré-candidato foi presidente do Lide Economia, grupo de empresários que têm em comum a defesa da livre iniciativa. Ele também coordenou o movimento Brasil Eficiente. Em 2016, foi indicado para a presidência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e comandou a instituição de pesquisa por onze meses, até assumir a presidência do BNDES, em maio do ano passado.

Rodrigo Maia – DEM

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ) é o pré-candidato pelo DEM. Maia tem buscado ser uma alternativa de centro e, em suas próprias palavras, “sem radicalismos”. Ele assumiu o comando da Câmara após a queda de Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso pela Operação Lava Jato, e ganhou mais protagonismo político pelo cargo que ocupa, já que é o responsável por definir a pauta de projetos importantes, como a reforma da Previdência.

Segundo ele, a pauta da Câmara não será prejudicada devido à sua candidatura ao Planalto. “A gente tem responsabilidade com o Brasil, já deu demonstrações disso. O projeto político do DEM é legítimo e é feito em outro momento e local, não tem problema nenhum disso”, afirmou.

Filho do ex-prefeito do Rio, César Maia, o político está no quinto mandato como deputado federal. Em 2007, assumiu a presidência nacional do DEM, após a reformulação do antigo PFL. Rodrigo Maia ingressou, mas não chegou a concluir o curso de Economia. Foi secretário de Governo do município do Rio de Janeiro no final da década de 1990, na gestão de Luiz Paulo Conde, que à época era aliado de César Maia.

Vera Lúcia – PSTU

O PSTU, que nas últimas vezes concorreu com o candidato José Maria de Almeida (Zé Maria), lançará uma chapa tendo a sindicalista Vera Lúcia como candidata à Presidência.

Vera Lúcia, 50 anos, foi militante no PT e integrante do grupo fundador do PSTU.

O vice na chapa é Hertz Dias, 47 anos, militante do movimento negro.

MDB

Com a promessa de, pela primeira vez depois de 24 anos, apresentar ao país um candidato à Presidência da República, o MDB ainda não definiu oficialmente como formará a chapa para a disputa. Nesta semana, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles se filiou à sigla.

No entanto, ao deixar o comando do Ministério da Fazenda na sexta-feira (6), Meirelles não informou a qual cargo pretende concorrer. Mas é cogitado como opção ao lado do presidente Michel Temer.

O presidente Michel Temer não descartou a possibilidade de concorrer à reeleição. Nos últimos meses, o partido tem feito movimentos de resgate à história da legenda, que tem mais de 50 anos. Foi com esse intuito que mudou a sigla de PMDB para MDB. A decisão sobre a candidatura, porém, ainda não está tomada.

PSB

Após a morte do ex-ministro e então presidente nacional do partido, Eduardo Campos, em plena campanha eleitoral de 2014, o PSB passou por dificuldades de identificação e falta de lideranças nos últimos anos. Nessa sexta-feira (6), porém, a sigla recebeu a filiação do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e tem nele a grande aposta de participar do pleito deste ano.

Como membro da Suprema Corte de 2003 a 2014, Joaquim Barbosa ganhou notoriedade durante o período em que foi relator do processo do mensalão, que condenou políticos de diversos partidos pela compra de apoio parlamentar nos primeiros anos de governo do PT. Antes, foi membro do Ministério Público Federal, funcionário do Ministério da Saúde e do Itamaraty.

De acordo com o líder do PSB na Câmara, deputado Júlio Delgado (MG), que tem participado das conversas com Barbosa, o nome dele fica eleitoralmente viabilizado, embora ainda seja necessário construir sua candidatura por todo o Brasil. “Ao se filiar, até pela viabilidade que já mostra, eu acho que o nome dele já fica irreversível. Acho que ele é o candidato capaz de unir o Brasil, tranquilizar, trazer a decência necessária contra essa divisão de lados [que o país vive]”, disse à Agência Brasil.

PT

Depois de ganhar as últimas quatro eleições, o PT anunciou a pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas dificilmente conseguirá lançá-lo à disputa. Lula foi preso nesse sábado (7) para cumprimento da pena de 12 anos e 1 mês de prisão.

Ele foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Embora o cenário seja desfavorável, aliados defendem que Lula recorra ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em busca de uma autorização para se candidatar, já que a Lei da Ficha Limpa prevê a impugnação das candidaturas de políticos condenados em segundo grau da Justiça.

Outros nomes cotados dentro do partido são do ex-governador da Bahia Jaques Wagner e o do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, além de optar por apoiar a candidatura de outro partido da esquerda.

Prazos

De acordo com a legislação, os partidos políticos devem promover convenções nacionais com seus filiados entre 20 de julho e 5 de agosto para que oficializem as candidaturas. A data final para registro das candidaturas pelos partidos políticos na  Justiça Eleitoral é 15 de agosto.

Aos 97 anos, morre no Rio a sambista Dona Ivone Lara

A cantora e compositora Dona Ivone Lara morreu na noite de ontem (16), aos 97 anos, no Rio de Janeiro. Ela estava internada desde a última sexta-feira (13)  no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, com um quadro de anemia.

O corpo será velado agora de manhã na quadra da Império Serrano, sua escola do coração, em Madureira, na zona norte da cidade. O sepultamento está marcado para a tarde, no cemitério de Inhaúma.

A Portela, outra escola tradicional de Madureira, divulgou nota chamando dona Ivone Lara de “patrimônio do Império, da Portela e da cultura brasileira”. Considerada um dos maiores nomes da música popular brasileira em todos os tempos, a cantora sempre foi muito ligada também aos compositores da Portela. Era grande amiga de Candeia, Monarco e Paulinho da Viola, por exemplo.

O sambista Dudu Nobre usou o seu perfil no facebook para homenagear a artista. “Obrigado por tudo dona Ivone Lara. As bênçãos, os ensinamentos,as conversas, os sambas, a poesia. Descanse em paz, Grande Dama do Samba”.

Nascida em 13 de abril de 1921, no Rio de Janeiro, dona Ivone Lara compôs seu primeiro samba aos 12 anos, “Tiê, tiê“, depois de ganhar de seus primos um pássaro da espécie tiê.

Aprendeu a tocar cavaquinho com o tio  Dionísio Bento da Silva, que tocava violão de sete cordas e integrava o grupo de chorões que reunia Pixinguinha e Donga.

Sua primeira escola de samba foi a Prazer da Serrinha, que começou a frequentar em 1945 e para quem compunha sambas que eram assinados pelo seu primo Fuleiro, devido ao preconceito contra as mulheres que existia nas agremiações naquela época.

Enfermeira e assistente social, trabalhou com pacientes que tinham doença mental. Ingressou na Império Serrano em 1965 e gravou seu primeiro disco, “Samba minha verdade, samba minha raiz”, em 1974. Ao se aposentar da área da saúde em 1977, passou a se dedicar integralmente à música.

Entre suas composições mais conhecidas estão Sonho meu e Acreditar, ambos em parceria com Délcio Carvalho.

Câncer é a principal causa de morte em quase 10% das cidades brasileiras

O câncer já é a principal causa de morte em quase 10% das cidades brasileiras — 516 do total de 5.570 municípios do país. Com isso, nesses municípios, os tumores malignos são mais fatais do que qualquer outro aspecto, seja em relação a doenças ou até mesmo acidentes de trânsito e homicídios. O levantamento, feito com base nos números oficiais mais recentes do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), de 2015, foi divulgado nesta segunda-feira pelo Observatório de Oncologia do movimento Todos Juntos Contra o Câncer, em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM).

Segundo os pesquisadores, o câncer avança a cada ano e, com a manutenção dessa trajetória, em pouco mais de uma década os tumores malignos serão os responsáveis pela maioria das mortes no Brasil, ultrapassando a liderança que durante décadas ficou com as doenças cardiovasculares e o aparelho circulatório.

O Rio Grande do Sul é o estado com o maior número de municípios onde o câncer é a primeira causa de morte: 140. Enquanto em todo o país as mortes por câncer representam 16,6% do total, no território gaúcho esse índice chega a 33,6%. De acordo com os autores da pesquisa, um dos fatores que pode explicar a alta incidência de câncer na região são as características genéticas da população, que, devido à cor de pele mais clara, pode apresentar maior predisposição para desenvolver o câncer de pele tipo melanoma, por exemplo.

No outro extremo, o Distrito Federal e o Amapá não contabilizaram nenhuma morte por câncer em 2015, ano-base para a pesquisa. Já no Estado do Rio, somente uma cidade aparece no levantamento: Cambuci, no Norte Fluminense. Nesta cidade, a taxa de morte por câncer registrada foi de 19 por cada 10 mil habitantes.

Os dados mostram que a maior parte das cidades onde o câncer é a principal causa de morte está localizada em regiões mais desenvolvidas do país, justamente onde a expectativa de vida e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são maiores. Dos 516 municípios onde os tumores matam mais, 80% ficam no Sul (275) e Sudeste (140). No Nordeste, estão 9% desses municípios (48); no Centro-Oeste, 7% (34); e no Norte, 4% (19).

Ao todo, essas cidades concentram uma população total de 6,6 milhões de habitantes. Onze municípios são considerados de grande porte, sendo Caxias do Sul (RS) o mais populoso deles, com quase meio milhão de habitantes.

HOMENS SÃO OS QUE MAIS MORREM

O Observatório identificou que, das 9.865 mortes registradas nas 516 cidades, a maioria foi entre homens (57%). Seguindo a tendência do grupo, os homens lideram o número absoluto de mortes em 23 estados.

Em 21 cidades, não houve sequer registro de óbito entre as mulheres. Elas só foram maioria nos registros de mortes no Ceará e em Mato Grosso do Sul. Em 62 municípios, as mortes registradas em 2015 foram iguais para ambos os sexos.

Com relação à idade, metade das mortes se concentra nas faixas de 60 a 69 anos (25%) e 70 a 79 anos (25%). Em seguida, a maior proporção aparece no grupo dos que tinham mais de 80 anos (20%). Crianças e adolescentes, grupo que compreende a faixa etária de zero a 19 anos, somaram 1,3% dos óbitos.

 

Para 84% dos brasileiros, Lava Jato deve continuar; 12% defendem término

84% dos brasileiros entendem que a operação tem que ser mantida, enquanto 12% consideram que ela já cumpriu o seu objetivo e deve ser encerrada. Não souberam responder 4%.

O apoio à investigação se mantém alto entre eleitores de Lula, com índice de 77%.

O levantamento mostrou ainda que a maior parte dos brasileiros apoia a prisão de réus condenados em segunda instância.

Em outro item, o instituto informou aos entrevistados que mais de cem políticos foram citados em delações premiadas e perguntou quantos deles serão presos. Disseram que a maioria não será detida 68%, uma queda de quatro pontos percentuais em relação ao levantamento feito um ano atrás.

Afirmam que a maioria será presa 16%, e 11% acreditam que todos serão detidos.

A corrupção voltou a ser apontada pelos entrevistados como o principal problema do país —é citada por 21%. Em situação de empate técnico, a saúde foi apontada por 19% dos eleitores ouvidos —em novembro do ano passado era o primeiro item na lista.

O Datafolha também questionou os entrevistados sobre a corrupção no Brasil após a Lava Jato. Disseram que ela irá diminuir 37% dos entrevistados, ante 44% em levantamento feito em setembro do ano passado. Para 51% a corrupção continuará na mesma proporção de sempre —eram 44% na pesquisa anterior. Para 10%, ela irá aumentar.

Eleitores que declaram o PSDB como partido de preferência são os que mais acreditam na influência da operação para diminuir a corrupção: 54% deles disseram concordar com essa afirmação.

A margem de erro da pesquisa, feita pelo instituto dos dias 11 a 13 deste mês, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O Datafolha ouviu 4.194 pessoas em 227 municípios do país.​

 

Anatel publica nova regra para TV por assinatura

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou nessa segunda-feira (16), no Diário Oficial da União, alterações no regulamento do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC), que trata da oferta de canais digitais da TV aberta na TV por assinatura.

As alterações entrarão em vigor em 90 dias.

Pelo atual entendimento, a obrigatoriedade de carregar o sinal vale apenas para os canais analógicos. A Anatel também determinou que, caso não haja acordo, as geradoras locais poderão exigir o carregamento gratuito do sinal. Caberá à agência reguladora decidir sobre o conflito.

Outro ponto em discussão previa a obrigatoriedade de as empresas de TV por assinatura distribuirem a seus assinantes caixas híbridas, uma espécie de conversor, que também pudessem receber os sinais de todos os canais locais das TVs abertas. As empresas estimavam que o custo adicional para adquirir o equipamento ficaria em torno de R$ 465 milhões.

O entendimento da agência foi de que o processo de desligamento do sinal analógico em curso incentiva a troca dos aparelhos de televisão. Para famílias incluídas em programas sociais, existe distribuição de receptores do sinal digital. As duas iniciativas, segundo a agência, garantiriam o acesso aos sinais das geradoras locais.

De acordo com a Anatel, pessoas com deficiência têm direito a recursos de acessibilidade no SeAC, por meio de uma unidade receptora decodificadora (URD), independentemente do plano de serviço e sem custo adicional. Isso poderá ser feito sempre que solicitado pelo assinante.

Segundo a Anatel, as prestadoras do serviço poderão decidir se usarão essa solução como um diferencial competitivo. Já os assinantes terão direito de acessar os canais da TV aberta digital diretamente do televisor, considerando que os aparelhos digitais atualmente em uso têm mais de uma entrada.

Campus Party fomenta tecnologia no RN

Foto: Demis Roussos

O governador Robinson Faria marcou presença no Campus Party Natal (CP). Robinson acompanhou o agito do evento ao lado dos secretários de Estado e diretores de órgãos da Administração Direta e Indireta do Governo do RN.

Em um momento de interação com as atividades da maior feira de tecnologia do país, o chefe do Executivo estadual esteve no estande do Governo e percorreu a #cpjerimum prestigiando as exposições tecnológicas que movimentam o evento. Visitou o núcleo do Campus, um espaço localizado no centro da Arena que controla toda a conectividade virtual e oferece um primeiro andar com vista panorâmica do pavilhão; apreciou os estandes de entidades parceiras, como o da Justiça Federal do RN, da Federação das Indústrias (Fiern) e Sebrae-RN. Nas bancadas dos campuseiros, o governador foi imerso no mundo da tecnologia com impressoras 3D, robôs, ações de empreendedorismo, games e cosplayers; conheceu iniciativas de startups e makers e, na Arena de Drones, teve a experiência de pilotar pela primeira vez um drone.

Evento deixa contribuição para o estado

Recebido pelos parceiros e organizadores da CP, o presidente do Instituto Campus Party, Francesco Farruggia e o diretor geral da feira, Tonico Novaes, Robinson já avalia os resultados positivos do evento. “Este é um legado que estamos deixando para todo o estado, sobretudo para os jovens participantes que estão tendo uma oportunidade única de partilha, de serem vistos em uma troca de experiências e conteúdos mundiais”, afirmou.

“Foram dois anos de parceria para realizarmos este evento aqui. O Governo teve grande interesse nessa realização que está sendo um sucesso e vai deixar um diálogo muito forte para todos. Pretendemos deixar cinco laboratórios de tecnologia em comunidades de Natal e região metropolitana para apresentar de uma forma mais inovadora a ciência e a tecnologia a uma parte da população que possivelmente teria menos acesso”, acrescentou Francesco.

Compartilhando dessa ideia, Tonico Novaes explicou que a parceria trouxe um apoio aos jovens através da quarta revolução que estamos vivenciando, que é a revolução digital, da tecnologia. “Estamos aquecendo esse ecossistema dentro do estado, por meio de incubadoras, startups, investidores e mentores”, completou. O diretor afirmou ainda que os principais projetos apresentados na #cpjerimun serão encaminhados para a edição nacional ou mesmo para as internacionais.

Alexandre Ferreira é um dos embaixadores da Campus Party e participa com palestras e oficinas na área de robótica. Natural do Paraná, ele trabalha na área de tecnologia há mais de vinte anos e participou de todas as edições da CP. Para o embaixador, o empenho do Governo em trazer a edição foi de causar um impacto junto aos jovens na medida em que destaca a atual importância da tecnologia. Questionado sobre o panorama local em meio ao nacional, Alexandre enfatizou o entusiasmo dos participantes. “Um aspecto que me chamou atenção foi o empenho, a vontade desses jovens em aprender. Pelo que percebi, os jovens têm uma dificuldade muito grande de aplicar e viver esse conhecimento e das duas uma: ou eles precisavam do espaço para aprender ou de um espaço para que tivessem alguns direcionamentos. Pode ter certeza que tem muita gente boa aqui que só precisa de uma oportunidade e agora estão tendo”, concluiu.

Governo coloca tecnologia a serviço da população

Suspenso no ar, sob a vela de uma asa delta, o jovem natalense Luiz Henrique, 19, utilizando óculos de realidade virtual, mexe a cabeça de um lado para o outro, para cima e para baixo, e sorri numa aparente satisfação de experimentar algo novo.

A cena dura três minutos e se repete, por meio de uma grande fila de interessados. Trata-se de em um dos atrativos do estande do Governo do RN que oferece aos visitantes da Open Campus, espaço gratuito e aberto ao público, a oportunidade de simular, por meio de uma realidade virtual, um voo de asa delta sobre seis principais obras desenvolvidas no estado: o prolongamento da Prudente de Morais, a Barragem de Oiticica, Estações de Tratamento de Esgoto e o Anel Viário Metropolitano, incluindo as obras do Sistema Viário da Avenida Moema Tinôco.

“A realidade virtual era uma coisa que eu sempre tive vontade de conhecer e foi mais divertido do que eu esperava. Além disso, conheci algumas obras que estão acontecendo no meu estado que eu não sabia”, disse Luiz Henrique.

Outra grande procura no estande tem sido o simulador de direção veicular, disponibilizado pelo Detran. Bem integrado à tecnologia do evento, o equipamento, semelhante a um vídeo game, é igual aos utilizados nas autoescolas e constrói uma realidade virtual apresentando as diversas situações enfrentadas no dia a dia do trânsito pelos condutores.

Há ainda o simulador do projeto da Fapern “HabitatMarte”, uma iniciativa do professor Júlio Rezende voltada para o estudo do planeta Marte.

Além disso, o Governo do RN realizou palestras e hackathons sobre alguns projetos que têm contribuído para o desenvolvimento tecnológico do estado nas suas mais diversas áreas como segurança, educação, administração, recursos humanos, turismo e agricultura. Duas já aconteceram, uma sobre a Plataforma Ceres – Como a startup do Governo beneficia mais de 200 cidadãos, e outra sobre Inovação Tecnológica e Inclusão Digital na Educação Pública do RN. Neste sábado (14), das 12h às 13h, acontece a terceira e última palestra que traz como tema o Portal CIOSP – Ferramentas de inteligência e segurança a serviço do cidadão.

Campus Kids

Tem sido difícil para os visitantes e campuseiros chegar à Campus Party e resistir ao trono feito por algumas dezenas de sansão, o coelhinho de estimação da Mônica, principal personagem de histórias em quadrinhos de Maurício de Sousa. O trono, situado logo na entrada do pavilhão, já remete a outro espaço bastante visitado por famílias e escolas, o Campus Kids. Uma área destinada para criação e interação de soluções tecnológicas educacionais, que também possui acesso gratuito ao público.

Atrelada ao espaço “Educação do Futuro”, o Kids reserva para jovens de 4 a 17 anos atividades de robótica e pensamento computacional de forma lúdica, como por exemplo a construção de robôs com legos.

Amanda Silva, 36 anos, mora em Natal e trouxe sua filha Alice, 6, para visitar o espaço Kids. “Ela tem muito interesse por robótica e hoje ela está sentindo-se plena”, comentou. É a primeira vez que mãe e filha visitam uma feira de tecnologia. “Eu vim por ela, não costumo me interessar muito sobre essa temática. Mas ela não, desde pequena é entusiasta”.

 

Grande Natal ganhará quatro laboratórios de robótica como legado da Campus Party

Encerrada neste domingo (15), no Centro de Convenções, a Campus Party Natal recebeu a visita de 50 mil pessoas, entre campuseiros e visitantes. Sucesso de público e crítica, o evento deixará um verdadeiro legado para a Grande Natal. No último sábado (14), no palco principal Feel The Future, foi assinada uma carta de compromisso para a criação de quatro laboratórios Include.

O ato contou com a presença do presidente do Instituto Campus Party, Francesco Farrugia, e do subsecretário do Inclusão do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Alexandre Mesquita. Estiveram presentes também representantes do Sebrae, UFRN, Prefeitura de Parnamirim, além do vereador Sueldo Medeiros (PHS), que já destinou uma emenda parlamentar impositiva, que vai viabilizar a construção de um dos laboratórios na rede municipal de ensino, no Centro Educacional Dom Bosco.

“Já garantimos os recursos, por meio de emenda do nosso mandato, e ficamos muito felizes com a assinatura dessa carta de compromisso, que vai garantir toda a expertise do Instuto Campus Party como parceiro na implantação do projeto. Natal vai ganhar um importante laboratório de robótica na rede municipal de ensino e esperamos que seja apenas o primeiro de muitos”, comemorou o vereador, que é presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia e Inovação da CMN.

O Projeto Include irá implantar laboratórios de robótica e informática em áreas carentes por todo o Brasil, aproximando os jovens da tecnologia, identificando talentos, criando oportunidades de estudo em escolas especiais e encaminhando-os ao mercado de trabalho.

1ª Campus Party Natal atrai mais de 60 mil pessoas no Centro de Convenções

Fotos: Adrovando Claro

Um sucesso a primeira edição da Campus Party Natal, que ocorreu de 11 a 15 de abril, encerrando-se no último domingo no Centro de Convenções de Natal, uma das maiores experiências de tecnologia e inovação do mundo e que contou com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, da Prefeitura Municipal de Natal e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

“Essa edição nos surpreendeu desde antes do seu início com a venda de todos os ingressos disponíveis. A participação dos campuseiros foi contagiante em todos os palcos, workshops e hackathons, o que só confirmou a sinergia entre a proposta do evento e o potencial inovador do estado do Rio Grande do Norte”, ressalta o diretor-geral do evento, Tonico Novaes.

A presença do público na Open Campus, área aberta ao público, superou todas as expectativas. Mais de 60 mil pessoas passaram pelo espaço e puderam interagir com uma série de simuladores, acompanhar as batalhas e corridas de Drones, aprender e se inspirar no espaço de Educação para o Futuro, além de conhecer trabalhos acadêmicos e startups com ideias inovadoras.

Na Arena, os destaques das mais de 250 horas de programação foram a palestra do primeiro astronauta brasileiro a ir ao espaço, Marcos Pontes; a apresentação do estudante mais jovem a vencer um concurso mundial promovido pela NASA, João Paulo Barrera; Dra. Rosaly Lopes, brasileira que atualmente analisa os dados da Missão Cassini – que explorou o planeta Saturno e suas Luas; Jon “Maddog” Hall, membro do Linux Professional Institute; Gabe Gabrielle, engenheiro, educador e palestrante motivacional da NASA; Marcos Palhares que será o representante brasileiro da empresa pioneira em turismo espacial Virgin Galactic e os youtubers e influenciadores Irmãos Castro, La Fenix e os participantes do podcast Não Ouvo. Outro grande destaque das arenas foram os hackathons que reuniram um grande público em busca de soluções para a melhoria de políticas públicas e para o bem-estar da sociedade.

Legado INCLUDE

No palco Feel the Future (principal) da Campus Party, foi assinada uma carta de compromisso com a Prefeitura de Parnamirim, SEBRAE, UFRN e o vereador Sueldo Medeiros para a criação de 4 laboratórios Include em Parnamirim e Natal. Os laboratórios fazem parte do projeto Include, que consiste na criação e montagem de laboratórios de robótica para aproximar os jovens (menores de 18 anos), moradores de comunidades carentes, da tecnologia.

“O programa tem como objetivo identificar talentos dentro de comunidades menos favorecidas do país e criar vias para que possam estudar em escolas especiais, encaminhá-los ao mercado de trabalho para que saiam com emprego após a participação no programa e, mais do que isso, prepara-los para que consigam levar soluções para a própria comunidade usando a tecnologia, sem depender da ajuda externa. Já temos, em diferentes fases de andamento, 72 laboratórios em 9 Estados e nossa meta é alcançar 10 mil laboratórios em todo o Brasil nos próximos anos”, finaliza Francesco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party.

Confira abaixo os principais números da Campus Party Natal

Total de campuseiros: 5.000, sendo 2.000 acampados
Barracas: 1500 – Sendo 1000 simples e 500 duplas

Média de idade e sexo dos participantes:
Entre 18 e 29 anos – 74%
Mulheres – 38%
Homens – 62%

Atividades:
Mais de 250 horas de conteúdos
Mais de 300 palestrantes

Programa Campus Future:
20 projetos selecionados para participar do programa
Destaques: Mag Music, C.A.PA., Sun Safe

Programa Startup & Makers:
Cerca de 30 palestras sobre empreendedorismo e inovação
40 startups, sendo 20 growth stage, 20 early stage
Destaques:
Growth – Wheelchair Tech, 99 Mercados e EveryCare
Early – Blind Dog, Good Drink e Bee Delivery

Produção e Tecnologia:
Velocidade da internet – 20 GBps fornecida pela USE Telecom
Envolvidos na organização – mais de 1.000 pessoas

Outros Números:
Patrocinadores, Apoiadores, Parceiros, Media Partners e Influenciadores – 39 empresas
Universidades – 3
Profissionais de imprensa cadastrados para cobertura – Mais de 250

Sobre a Campus Party

A Campus Party é a maior experiência tecnológica do mundo que reúne jovens geeks em um festival de inovação, criatividade, ciência, empreendedorismo e universo digital. Realizada pela primeira vez em 1997, na Espanha, a Campus Party conta hoje com mais de 500 mil campuseiros cadastrados em todo mundo, e já produziu edições em países como Espanha, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Argentina, Panamá, El Salvador, Costa Rica, Colômbia e Equador, Itália e Cingapura. O evento está presente no Brasil há onze anos. Atualmente, está no mapa das cidades e estados inteligentes de Natal – Rio Grande do Norte.

Mais imagens do evento nas fotos de Adrovando Claro: