Prefeito de Macau anuncia que não investirá no carnaval em 2017

Prefeito de Macau -Túlio Lemos
Prefeito de Macau -Túlio Lemos

O prefeito de Macau, Túlio Lemos, anunciou esta semana que acatará a recomendação do Ministério Público e a prefeitura não arcará com despesa alguma, para a realização do carnaval em 2017 em todo o município.

Tulio Lemos fez o comunicado oficial poucas horas depois de deixar o Ministério Público, onde apresentou a Promotora de Justiça, Isabel Menezes todo o detalhamento das investidas da atual gestão para realizar o evento, evitando custos para a prefeitura. O prefeito esclareceu no documento entregue ao MP, que mesmo diante da frustração dos projetos de parcerias com a iniciativa privada, a prefeitura estava propondo fazer um carnaval com dois trios elétricos e o mela-mela nas ruas a um custo de R$ 199 mil, valor correspondente a 5% do investimento pela prefeitura com o último Carnaval em 2015.

Mesmo diante dos argumentos apresentados acerca da viabilidade econômica da festa para a cidade, a promotora Isabel Menezes fez suas alegações com uma radiografia administrativa, apontando os principais problemas que passa o município e manteve a recomendação que já havia publicado pela não realização do evento este ano.

A macha do passado

“Infelizmente o passado de corrupção condena Macau e reflete hoje no presente”, disse o prefeito, se referindo à operação batizada pelo Ministério Público de Máscara Negra, que apontou desvio de milhões, por meio de superfaturamento de bandas, trios elétricos e estrutura para realização de carnaval na cidade.

Para Túlio, a sangria nos cofres públicos macauense trouxe danos à imagem da maior festa da cidade e colaborou para o estado de calamidade administrativa em que vive o município salineiro. Com a decisão do prefeito, repercutida nas redes sociais, Macau pelo segundo ano consecutivo não terá seu maior patrimônio cultural, reconhecido em lei em 2015 pela Assembleia Legislativa, que é a festa de carnaval, considerado o maior do Rio Grande do Norte.