Com patrimônio de R$ 668 mi, candidato mais rico é dono de farmacêutica

  • Fernando Marques, presidente da Uniao Química, em foto de 2013
    Ze Carlos Barretta – 6.set.2013/Folhapress

    Fernando Marques, presidente da Uniao Química, em foto de 2013

UOL Eleições

O candidato mais rico nas eleições de outubro de 2018 é o empresário do ramo farmacêutico Fernando de Castro Marques. Ele declarou ter patrimônio de R$ 667,9 milhões ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Marques é filiado ao Solidariedade e tentará uma vaga ao Senado pelo Distrito Federal. Esta é a primeira vez que ele concorrerá à Casa.

A maior parte do patrimônio de Marques vem de “quotas ou quinhões de capital”, ou seja, participação no capital de empresas: cerca de R$ 338,9 milhões. Na década de 1970, seu pai, João Marques, comprou o laboratório Prata, que mais tarde originaria a União Química, uma das maiores farmacêuticas do Brasil. O restante do patrimônio declarado de Castro Marques é composto por aplicações, fundos e terrenos, entre outros.

“É uma exposição que eu preferia não ter; tenho uma vida discreta, sou uma pessoa discreta, e lamentavelmente, em função dessa candidatura, tive que botar minha declaração [de bens] lá [no sistema da Justiça Eleitoral, de acesso público]”, afirmou Castro ao UOL nesta quarta-feira (22).

Em segundo lugar no ranking dos candidatos mais ricos, vem o presidenciável pelo Novo, João Amoêdo, com patrimônio declarado de R$ 425 milhões. Amoêdo construiu a carreira em instituições financeiras. Segundo o presidenciável em entrevista à Folha de S. Paulo, a riqueza é um “indicador importante da capacidade” da pessoa.

TSE/Divulgação

Registro de candidatura de Fernando Marques ao Senado pelo DF

O terceiro candidato mais rico do pleito é Ogari de Castro Pacheco, com R$ 407,7 milhões, de acordo com as informações prestadas ao TSE. Assim como Castro Marques, Pacheco também faz parte do ramo farmacêutico, sendo o controlador do laboratório Cristália. Ele concorre no Tocantins a segundo suplente do candidato a senador Siqueira Campos (DEM).

Em quarto lugar, aparece o candidato a vice-governador de Mato Grosso pelo PDT, o empresário agropecuário Otaviano Pivetta, com R$ 379,4 milhões em bens. Completando os cinco mais ricos está o ex-ministro da Fazenda de Michel Temer e candidato à Presidência pelo MDB, Henrique Meirelles. Ele declarou ao TSE ter R$ 377,4 milhões.