Moro diz que usará modelo da Lava Jato para combater crime organizado

G1
Esta é a primeira vez que o Sérgio Moro participa de uma entrevista coletiva, desde 2014, quando assumiu a Operação Lava Jato e se tornou figura conhecida em todo o Brasil — Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS

Esta é a primeira vez que o Sérgio Moro participa de uma entrevista coletiva, desde 2014, quando assumiu a Operação Lava Jato e se tornou figura conhecida em todo o Brasil — Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS

O juiz federal Sergio Moro disse nesta terça-feira (6) que atuará no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a partir de 2019, utilizando o modelo da Operação Lava Jato para combater o crime organizado e que vai trabalhar sem “perseguição política”. Moro afirmou ainda que recebeu a sondagem para participar do governo Bolsonaro em 23 de outubro, antes do segundo turno.

O que Moro disse na entrevista:

  • Lava Jato será modelo contra corrupção e crime organizado
  • Integrantes da Lava Jato são considerados para equipe
  • Recebeu sondagem para ser ministro em 23 de outubro
  • Disse que não pode se pautar por ‘álibi falso’ de perseguição
  • Caso Marielle tem que ser solucionado
  • Não pretende criminalizar manifestações sociais
  • Disse ser a favor de reduzir a maioridade penal para crimes graves
  • Quer aprovar parte das ‘dez medidas contra a corrupção’ do Ministério Público
  • Quer investir em tecnologia para elucidar crimes
  • Discutir possível ida ao STF só em um contexto futuro, quando houver vagas
  • Reiterou que atuará como ministro em uma “função técnica”
  • Não vê riscos à democracia e ao Estado de direito

Durante mais de uma hora e trinta minutos, em Curitiba, Moro concedeu a primeira entrevista coletiva desde 2014, quando assumiu operação. Antes de os repórteres começarem as perguntas, o juiz fez um histórico da operação e disse ter aceitado o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para implantar no governo federal uma “forte agenda anticorrupção” e “contra o crime organizado”.