Iniciativa em escola de Natal permite que crianças criem jogos de computador e aplicativos

Programar um jogo de computador pode ser coisa de criança. É o que defende os profissionais envolvidos em uma iniciativa pioneira em Natal, que incluiu a disciplina de Programação na grade curricular dos estudantes do Ensino Fundamental. O objetivo foi introduzir a computação nas aulas desde cedo, para que os alunos não sejam apenas usuários, mas também programadores.​

A disciplina entrou na grade do Complexo Educacional Contemporâneo este ano e acontece duas vezes por mês. Matheus Rodrigues, responsável pelo projeto, explica que o ensino de informática posto em prática hoje mostra o computador como um substituto à máquina de escrever e não como uma ferramenta por meio da qual se pode criar tecnologia, como programas, sites, jogos, animações e até mesmo aplicativos.​

“Ensinamos na Programação o pensamento computacional. Ou seja: a criança visualiza o problema e pesa numa forma sistemática de resolvê-lo, a mesma dinâmica da criação de programas de computador, o que aprendem na sequência. O desenvolvimento desse pensamento é uma ferramenta útil para a tecnologia e também para qualquer área da vida”, acredita o profissional.​

De acordo com projeto, a partir dos 11 anos já é possível avançar no ensino tradicional e incluir a programação na grade. A escola pretende familiarizar, já a partir dessa idade, os alunos com a linguagem da programação e com os princípios lógicos em que se baseia. As aulas são quinzenais e integram a grade como as tradicionais Matemática, Português e História.​

A diretora da escola, professora Irany Xavier de Andrade, explica que o mundo evoluiu e a maneira de ensinar também. “Essas aulas oferecem o que chamamos de aprendizagem criativa e tecnologias inovadoras para o desenvolvimento de habilidades. Os alunos ganharam no currículo a integração entre a linguagem de programação e a prática”, resume a educadora sobre a iniciativa precursora da escola.