Parnamirim: Telecentro proporciona benefícios que vão além da inclusão digital

O Telecentro de Parnamirim, primeiro do Rio Grande do Norte, surgiu através do Programa Viver – Envelhecimento Ativo e Saudável, articulado pela Secretaria Municipal de Assistência Social, Habitação e Regularização Fundiária (SEMAS), e tem como objetivo a promoção da inclusão digital e a preservação da dignidade da pessoa idosa. Parnamirim foi contemplada com o projeto desbancando outras quatro cidades do país.  

Sucesso de procura, as vagas esgotaram-se rapidamente. No total são 64 idosos matriculados no programa com aulas que acontecem de segunda a sexta-feira, em turmas pela manhã e tarde. Além da inclusão digital, o programa também engloba outras atividades com o intuito de proporcionar mais qualidade de vida aos idosos. Atividades físicas, saúde, música, dança, artes, empreendedorismo e alfabetização fazem parte do rol de itens indispensáveis do Telecentro.  

Francisco de Assis, de 65 anos e sua esposa, Márcia Maria, de 52, fazem parte de uma das turmas do Telecentro. De acordo com Francisco, o casal conheceu o Centro de Inclusão através de outro projeto, da área da Saúde. “Eu e minha esposa já participávamos de atividades no Clube de Mães e através de um agente de saúde ficamos sabendo do Telecentro e viemos para a inauguração. Desde então ficamos interessados e a partir daí, eu, ela e minha sogra, de 83 anos, decidimos aprender”, explicou. 

Francisco e Márcia afirmam estar satisfeitos com o curso, mas já se mostram preocupados, pois o término das aulas acontece ainda neste mês. Eles não querem mais sair do Telecentro. “Estamos gostando demais! Eu já sabia um pouquinho de informática, mas aprendi muito mais. Tinha esquecido como era ligar e desligar um computador de forma correta. São detalhes que às vezes esquecemos. Agora nós estamos aprendendo a fazer histórias, digitar e colocar fotos através do Word. A minha sogra nunca tinha visto um computador, aqui ela já abre os programas e sabe manusear. Agora surgiu o interesse dela em aprender a ler, porque ela não é alfabetizada. Existe ainda a nossa interação e da própria turma, já fizemos até apresentações em sala e fora dela também. Nós viramos artistas! É muito bom, pois nesse espaço aprendemos, fazemos amizades e conhecemos novas pessoas. Ao mesmo tempo é uma pena, pois o curso está acabando e gostamos tanto, que no ano que vem queremos que as aulas se repitam”, falou Francisco.  

De acordo com o professor do Telecentro, Emanuel Ernane, além da inclusão digital, a alfabetização também faz parte da ementa do curso. Ele explica que o Centro de Inclusão se tornou um espaço acolhedor e de interação. “Nós também trabalhamos a parte de alfabetização também através de símbolos ou figuras, os quais o idoso que não conhece as letras, por exemplo, pode tomar conhecimento de informações através do que é simbolizado na ferramenta. O carro-chefe é o curso de informática, mas nesse caminho promovemos atividades que incluem o manuseio do smartphone. Oferecemos atividades externas, contação de histórias e participamos de projetos voltados para campanhas, como a do câncer de mama, fizemos vídeos e assim incentivamos o cuidado à saúde e a busca por informações. Eu gosto muito de trabalhar esse dinamismo com eles, um ajuda o outro, eu os ajudo e assim seguimos. É um aprendizado mútuo, pois também aprendo com eles. Às vezes, alguns chegam aqui falando sobre as dificuldades, seus problemas e se identificam no momento de reflexão que realizamos ao final da aula. É um espaço onde eles se sentem à vontade e acolhidos, pois estamos sempre dispostos a ouvi-los”, disse o professor. 

Ainda segundo o professor, a equipe do Telecentro está buscando formas de continuar o projeto com os idosos que serão certificados no final deste ano. “No mês de dezembro nós encerraremos o curso e os alunos serão contemplados com os seus certificados, mas eles não querem sair de maneira alguma. Iremos abrir as inscrições para novas turmas e eles querem ficar, então estamos pensando em uma maneira de complementar o ensino deles, para aproveitá-los”, afirmou.  

Para Terezinha Pereira, de 62 anos, o curso não desperta apenas o interesse pelo meio digital, mas estimula a consciência do papel de grande importância que o idoso tem para a sociedade. “Está sendo muito eficaz esse encontro, porque vejo que o projeto veio para beneficiar não só a mim, mas os demais, nos fazendo descobrir essa máquina misteriosa – o computador – que até então muita gente não sabia manusear. A capacidade que temos de aprender é totalmente estimulada. Provamos para nós mesmos que nunca é tarde para aprender, basta querer. Nossos familiares, às vezes, não têm paciência para ensinar, porque nos subestimam ou não tem tempo para tal. Acho que é uma grande oportunidade criada pelo nosso município, um trabalho muito interessante. O professor tem muita paciência e, de forma lúdica, ensina com mais facilidade a desenvolver, por exemplo, as funções de um computador”, disse.  

Terezinha conta emocionada sobre sua experiência pessoal. “Eu tinha uma certa noção de como era manusear o computador, mas aprendi técnicas de formatação, o significado das teclas ao digitar e a formar tabelas. Não sabia que existiam tantas funções. Houve uma época da minha vida em que perdi um filho e fiquei só, com minha outra filha. Eu cobrava tudo dela, tinha aquela preocupação excessiva, então decidi procurar um serviço de psicologia. Lá me indicaram o Telecentro, onde venho me divertir e aprender. Aqui eu me capacito, me sinto útil, por isso acho que esse projeto tem tudo a ver com a melhor idade. Além disso, trouxe para todos uma interação social, porque nós trocamos besteiras, coisas úteis e fazemos amizades. É um ambiente muito acolhedor. Nesse lugar percebi que a minha capacidade está viva e que ainda tenho muito o que aprender, porque para isso não existe idade”, contou.  

Para ter acesso ao projeto, o interessado deve procurar o Telecentro, localizado no CREAS, na Rua Aspirante Santos, 239, em Santos Reis, próximo à delegacia da Mulher. O atendimento acontece de segunda a sexta, das 8h às 11h e das 14h às 17h. As inscrições para as próximas turmas iniciarão no final do mês de novembro.