‘Prévia’ do PIB medida pelo Banco Central registra alta de 0,44% em setembro

G1

O nível de atividade da economia brasileira registrou alta de 0,44% em setembro, na comparação com agosto, indicou nesta quinta-feira (14) o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br). O indicador medido pelo Banco Central é considerado uma “prévia” do PIB.

Com o resultado, a economia brasileira terminou o 3º trimestre com um crescimento de 0,91% frente aos 3 meses anteriores – maior alta trimestral desde o terceiro trimestre de 2018 (1,67%), segundo a agência Reuters.

Na comparação com setembro de 2018, o IBC-Br subiu 2,11%, enquanto no acumulado em 12 meses o índice teve alta de 0,99%.

A expansão do mês ficou acima do esperado pelo mercado. A mediana das projeções colhidas pelo Valor Data era de uma alta de 0,39%.

Variação mensal do IBC-Br — Foto: Economia G1
 Foto: Economia G1

O resultado de setembro representa uma aceleração frente a alta de 0,22% registrada em agosto. Em julho, o indicador apontou estagnação (variação zero).

O índice foi calculado após ajuste sazonal (uma espécie de compensação para comparar períodos diferentes). O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

O resultado oficial do PIB do 3º trimestre será divulgado pelo IBGE no dia 3 de dezembro. No 1º trimestre, houve queda de 0,1% e, no 2º trimestre, alta de 0,4%.

Diferenças entre PIB e IBC-Br

O IBC-Br foi criado para tentar antecipar o resultado do PIB, que é divulgado pelo IBGE. Os resultados do IBC-Br, porém, nem sempre mostraram proximidade com os dados oficiais do PIB. No segundo trimestre, por exemplo, o indicador do BC recuou 0,1% na comparação com o primeiro, enquanto o PIB cresceu 0,4%.

O cálculo dos dois têm diferenças metodológicas – o índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos.

Em relatório, o diretor de pesquisa para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos, disse que o resultado do IBC-Br “parece consistente com uma expansão do PIB de 0,4% a 0,5% no terceiro trimestre”. O analista já definiu o indicador do IBC-Br como uma “aproximação imperfeita” do PIB.