Dólar opera em alta e supera pela 1ª vez R$ 4,66

G1

Nota de US$ 5 dólares — Foto: REUTERS/Thomas White
 Foto: REUTERS/Thomas White

O dólar opera em alta pela 12ª sessão consecutiva nesta quinta-feira (5), superando logo na abertura pela 1ª vez o patamar de R$ 4,60, em meio a expectativas de corte de juros devido aos riscos econômicos do coronavírus. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reunirá em 17 e 18 de março para deliberar sobre a taxa de juros, que está em patamar mínimo recorde de 4,25% ao ano.

Às 14h22, a moeda norte-americana subia 1,72%, cotada a R$ 4,6579, mesmo com leilão extra do Banco Central. Na máxima até o momento, chegou a R$ 4,6624. 

Já o dólar turismo era negociado a R$ 4,8582 sem considerar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Nas casas de câmbio, o dólar era negociado acima de R$ 5,08 nas compras em cartão pré-pago.

No dia anterior, o dólar encerrou a sessão em alta de 1,51%, a R$ 4,5790, novo recorde nominal de fechamento (sem considerar a inflação), após a divulgação dos dados oficiais do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019, que registrou alta de 1,1% em 2019, confirmando resultado mais fraco em 3 anos e desaceleração da economia brasileira no 4º trimestre.

No ano, a alta acumulada já passa de 15%.

Em todo o mundo o foco seguia no surto de coronavírus em rápida expansão, que já atingiu cerca de 95 países, infectando mais de 95 mil pessoas, causando a morte de mais de 3 mil e ameaçando interromper as cadeias de suprimento mundiais.

“Todo esse movimento é global. Há uma apreciação do dólar geral”, disse Italo Abucater, gerente de câmbio da Tullett Prebon, citando movimentos de aversão a risco em meio a incertezas sobre o futuro da doença. “Quando que uma vacina será descoberta? Quando aparecerá uma cura?”

Segundo muitos analistas, colaborando para esse movimento está a expectativa de corte de juros no Brasil, depois que vários bancos centrais, incluindo o Federal Reserve, iniciaram movimentos de flexibilização monetária em defesa contra os riscos do coronavírus.

A redução sucessiva da Selic a mínimas históricas tornou alguns rendimentos baseados na taxa de juros brasileira menos atraentes para o investidor estrangeiro, o que recentemente prejudicou o desempenho do real.