A sensibilização ao suicídio deve ser uma urgência para todas as pessoas

Jéssyca Martins Barros Costa – Psicóloga Casa Durval Paiva – CRP 17/4123A campanha setembro amarelo surgiu nos Estados Unidos, no ano de 1994, após um jovem chamado Mike Emme ter cometido suicídio, dentro de um Mustang amarelo, e, a partir disso, sua família ter começado uma corrente a respeito do tema com pessoas da cidade, como um pedido de que prestassem atenção aos indícios e vidas fossem salvas.

 A fita amarela tornou-se símbolo, adotada em 2003, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em homenagem a história dele, que deu origem ao Yellow Ribbon, o programa de prevenção do suicídio.No Brasil, somente em 2013, o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) colocou no calendário nacional a campanha internacional Setembro Amarelo. Desde 2014, a ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), divulga e conquista parceiros no Brasil inteiro. No dia 10 de setembro, foi instaurado o que é oficialmente o Dia mundial de prevenção ao suicídio.Segundo levantamentos realizados nos últimos anos, a maior parte das pessoas que cometeram suicídio estavam entre as seguintes categorias: tentativa prévia de suicídio; a possibilidade de apresentar algum transtorno mental, principalmente com histórico de transtorno mental na família, não diagnosticado ou sem tratamento adequado; o uso abusivo de álcool e/ou outras drogas; questões de vulnerabilidade social; questões de gênero e de raça.Destacando que a tentativa de suicídio é uma emergência médica. É possível considerarmos, ainda, que a saúde mental não possui destaque de forma cultural e isso prejudica o trabalho de prevenção de doenças mentais ou de futuras possibilidades da ideação ou do ato suicida na sociedade.Onde devemos buscar ajuda? Na rede de saúde assistencial municipal e estadual, em organizações como: Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Hospitais de urgência e emergência, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Centro de Valorização da Vida (CVV – ligação gratuita 188).A nível de Natal/RN, para atendimentos psicológicos gratuitos, há algumas UBS, CAPS e instituições de ensino, como o Serviço Escola de Psicologia Aplicada (SEPA/UFRN), UNI RN, UNIFACEX, UNINASSAU e UNP.