Projeto da Estácio oferta atendimento psicológico, jurídico e administrativo para mulheres empreendedoras

 

No Rio Grande do Norte, 35% dos empreendimentos são comandados por mulheres, segundo levantamento realizado pelo Sebrae em 2022

Há seis anos, a pauta da emancipação feminina é centro de debates e ações promovidas pela  Estácio em Natal através do projeto de extensão Mulheres Empreendedoras Empoderadas (MEE). A iniciativa reúne práticas dos cursos das áreas de Gestão, Direito e Psicologia na promoção de capacitações gratuitas para mulheres em situação de vulnerabilidade socioeconômica em ações que acontecem em instituições parceiras.

Com o objetivo de auxiliar essas participantes durante a trajetória empreendedora e de inserção no mercado de trabalho, anualmente são desenvolvidas workshops sobre acompanhamento de carreira, capacitações profissionais, além de apoio psicológico e atendimento jurídico voltadas para Direito do Trabalho e Direito da Mulher.

Segundo Sydennya Lima, docente do curso de Psicologia da Estácio e responsável pela área no MEE, o projeto impacta diretamente na vida das mulheres, desde o exercício da auto gerência financeira até o cuidado com a saúde mental das assistidas. “E essa é uma ferramenta fundamental para lidar com o estresse, a ansiedade e outras questões emocionais que podem surgir durante o processo de empreender”, destaca a docente.

“Na jornada pela emancipação feminina, a auto gerência financeira também é um veículo para a independência e o empoderamento. Ao dominar suas finanças, as mulheres assumem o controle de seu destino econômico e, consequentemente, de suas vidas”, complementa Alice Dantas, docente do curso de Administração da Estácio e responsável pela área no MEE.

Representatividade feminina importa

De acordo com um levantamento realizado pelo Sebrae em 2022, no Rio Grande do Norte, 35% dos empreendimentos são comandados por mulheres. Apesar da crescente registrada nos últimos anos, a professora Alice Dantas reforça que ainda há muitas barreiras até a equiparação de gêneros, entre elas, a escassez de oportunidades para mulheres em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

“A emancipação feminina não é apenas uma questão de números, mas de oportunidades reais. Enquanto celebramos os avanços, devemos permanecer vigilantes contra as barreiras que impedem as mulheres, especialmente aquelas em situação de vulnerabilidade, de alcançarem seu potencial. A verdadeira igualdade de gênero só será alcançada quando todas as mulheres tiverem acesso igualitário a oportunidades de sucesso econômico e autonomia financeira”, pontua.

Inscrições

Em 2023, dentre as instituições que participaram da iniciativa estão o Hospital João Machado, Casa Durval Paiva, Conselho Regional de Administração do RN (CRA RN), Junta Comercial do Estado do RN (JUCERN), Inovatix Mulher e Associação Beneficente Raimunda Rodrigues (ABRAIRO). Segundo Alice Dantas ainda não foram abertas as inscrições para os interessados em participar das ações deste ano.