Salários e estabilidade financeira atraem concurseiros em busca do serviço público

College Student Studying in Library --- Image by © Peter M. Fisher/Corbis

No Dia do Servidor Público, grande parte das instituições públicas aproveita a data para reverenciar a figura de seu funcionário e homenagear o trabalho prestado à sociedade. Hoje, o funcionalismo público é o sonho da grande maioria dos brasileiros, que almeja os bons salários oferecidos e a estabilidade financeira proporcionada pela carreira. Entre tentativas e vitórias, muitos mossoroenses também batalham pela oportunidade de adentrar no tão disputado setor.
A estudante Edja Lemos comenta que sempre sonhou com um cargo público de professora, mas que recentemente começou a cogitar fazer outros concursos na área judiciária, para que possa conseguir a estabilidade econômica tão sonhada por muitos brasileiros, antes de ingressar no mundo acadêmico.
“Eu resolvi buscar o serviço público porque sempre tive vontade de ensinar e passar meu conhecimento adiante, e como sempre fui fascinada pelo ambiente acadêmico, logo a minha meta se tornou algo natural. Nessa área, o que mais me atrai é a estabilidade financeira gerada, pois na minha área de atuação, dentro de empresas privadas, falta justamente isso. Talvez eu faça outros concursos até conseguir minha meta final”, explicou.
A publicitária Ana Alves comenta que vem tentando ingressar no serviço público desde 2012. Ela explica que tem tentado concursos somente em sua área de atuação, e que já fez um grande investimento em livros, materiais, aulas particulares para auxiliar seus estudos e, inclusive, viagens para fazer provas de concurso em outros estados.
“O principal motivo de eu me esforçar para conseguir ser aprovada em um concurso é a estabilidade financeira e os salários, que são bem maiores do que se paga em minha profissão. Além disso, a carga horária é menor, e as condições de trabalho são muito melhores, a qualidade de vida é muito maior em uma carreira pública”, comenta Ana.
O estudante de administração Eduardo Costa ainda é novato no mundo dos concursos públicos. Ele comenta que só disputou um cargo, mas que pretende estudar para disputar outras vagas em breve. Segundo o estudante, a influência de amigos e familiares fez com que ele se interessasse pelo funcionalismo público, os bons salários também foram um atrativo.
“Resolvi que faria concursos públicos porque os salários são altos, você dificilmente será demitido, trabalha pouco, tem vários benefícios do governo, inclusive para conseguir empréstimo, você se aposenta com o salário que ganha. São muitas benesses que jamais teremos dentro do setor privado”, explica Eduardo.
A advogada Nadja Galvão também é uma dos que almejam a vida no serviço público. Ela, que já possui mais de 40 anos, busca a estabilidade financeira proporcionada para os bacharéis de direito, na iniciativa pública. A advogada, que já foi concursada, hoje busca algo específico para a sua área de formação
“Desejo entrar no serviço público pela estabilidade e os bons salários proporcionados, conta-se também o fato de que depois que você passa dos 40 anos é muito difícil entrar na iniciativa privada, há uma verdadeira restrição em contratar pessoas maduras, o que é uma pena, já que só vejo vantagens na maturidade em relação ao trabalho. Infelizmente, as empresas preferem jovens descompromissados”, relata a advogada.

Servidores dão dicas para ajudar na hora da prova

O servidor técnico da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), Wagner Fonseca, comenta que a decisão por fazer o concurso para a Universidade foi tomada por conta de uma proximidade com seus estudos acadêmicos. Ele relembra que a seleção não foi muito concorrida, o que facilitou a aprovação de muitas pessoas.
“O concurso da Uern tinha alguma relação com direito administrativo que eu estava estudando e com aspectos socioeconômicos do RN, que estudo pelo fato de cursar economia. Acho que dicas importantes são fazer um cursinho preparatório para pegar noções gerais e algumas dicas metodológicas de como estudar, além de se ambientar com as bancas e suas especificidades”, comentou Wagner, que aconselha o concorrente a fazer um concurso mais específico para a área disputada.
O professor da rede municipal Walter Menezes comenta que é funcionário público desde 1999. Ele explica que pretende fazer em breve um novo concurso para a Polícia Federal, área de atuação onde tem bastante afinidade, e alerta que a escolha de uma carreira precisa ser coerente com a personalidade do candidato.
“Acho que a melhor forma de escolher uma carreira pública é pela afinidade que a pessoa tem com a área. Além disso, é fundamental que se tenha uma rotina de estudo, de pelo menos 1h30 a 2h, enveredando por todos os conteúdos previstos no edital”, comentou o professor.

Fonte: Jornal O Mossoroense