Tatiane Fernandes a competente produtora cultural faz parte da Delegação do RN na 4ª Conferência Nacional de Cultura em Brasília

Foto: Reprodução

Delegação Potiguar tem presença confirmada na 4ª Conferência Nacional de Cultura

Lideranças do cenário artístico e cultural de todo RN se preparam para cinco dias de intensa troca de experiências e muito planejamento. Em foco, a definição de políticas públicas e orientações prioritárias para o novo Plano Nacional de Cultura (PNC), que servirá de norte para a atuação do Ministério da Cultura (MinC), na próxima década. O Encontro faz parte da programação da 4ª Conferência Nacional de Cultura (4ª CNC) e acontece em Brasília, nos dias 4 a 8 de março.

Para a delegação que irá representar o estado no evento nacional, que traz como tema “Democracia Direito e Cultura”, foram escolhidos nomes reconhecidos de cada região potiguar, uma particularidade que pretende dar visibilidade às demandas de cada região, segundo a produtora cultural da Mapa Realizações Culturais, Tatiane Fernandes, também eleita para participar da Conferência.

“A nossa delegação tem uma potência especial porque temos vozes de todos os cantos do RN. Para mim, é uma honra ter sido eleita pela sociedade civil, dentre a representação da Região Metropolitana,  num rol de tantas lideranças importantes”, comemora Tatiane. Na Conferência Nacional, a produtora irá representar o Fórum Potiguar de Cultura, o Fórum Nacional das Áreas Técnicas, o Fórum Brasileiro de Ópera, Balé e Música de Concerto, Movimento Nacional Cultura Infância e o Movimento Nacional Teatros e Orquestras.

Mais informações sobre o evento podem ser acessadas pelo seguinte link: https://www.gov.br/cultura/pt-br/assuntos/noticias/4a-conferencia-nacional-de-cultura-sera-realizada-de-4-a-8-de-marco-confira-a-programacao

Os membros da delegação potiguar estão listados na publicação do Diário Oficial do Estado, pelo seguinte endereço: https://deirn.sdoe.com.br/diariooficialweb/#/visualizar-jornal?dataPublicacao=22-12-2023&diario=MTIx&extra=false (página 16).

Perfil: Nilo Vila e a sua jornada de dedicação e cuidado nas despedidas

Em meio ao cotidiano da cidade, existe um profissional cuja trajetória de vida se entrelaça profundamente com momentos de despedida e reconforto. Nilo Vila, aos 66 anos, ostenta uma carreira singular no segmento funerário, dedicando-se há meio século a um ofício que muitos podem considerar desafiador. A Casa Mortuária São Francisco das Chagas, adquirida por seu pai, Aurino Vila, em 1948, não é apenas um estabelecimento comercial para a família Vila; é uma extensão de sua missão de vida. Este ano, a empresa celebra 75 anos de serviços ininterruptos, um marco que reflete não apenas a longevidade do negócio, mas também a essência de compaixão e empatia que Nilo e sua família oferecem à comunidade.

Desde jovem, Nilo percebeu que sua vocação ultrapassava as operações cotidianas de uma funerária. Para ele, o verdadeiro chamado estava na oportunidade de amparar pessoas em um dos momentos mais vulneráveis da vida: a perda de um ente querido. Essa percepção moldou sua abordagem ao trabalho, transformando cada interação em uma chance de oferecer conforto e compreensão. Suas habilidades em acolher e empatizar com o próximo tornaram-se marcas registradas da Empresa Vila – nome atual da empresa –, explicando sua notável resiliência e relevância no mercado funerário ao longo de décadas.

Fora do ambiente de trabalho, Nilo é um homem de paixões simples e profundas. Valoriza os momentos ao lado da família, mergulha em leituras que expandem seu conhecimento e apreciação pelo mundo – como o livro “História dos Alimentos” que está atualmente lendo –, desfruta da sétima arte – cinema – e encontra paz no som tranquilizante das ondas do mar. Essas atividades não apenas enriquecem sua vida pessoal mas também o rejuvenescem, permitindo que ele retorne ao seu trabalho
vital com renovada energia e perspectiva.

Ao longo de sua carreira, Nilo acumulou uma vasta coleção de histórias e experiências. Suas lembranças variam entre momentos de profunda tristeza, gratidão sincera e até interlúdios de leveza e humor, refletindo a ampla gama de emoções humanas que seu trabalho abraça. Apesar das inevitáveis adversidades enfrentadas ao longo dos anos, sua paixão pelo que faz permanece inabalável. Nilo é particularmente entusiasmado com as possibilidades que as inovações tecnológicas apresentam para o setor funerário. Ele vê nas novas tecnologias um meio de ampliar a capacidade de sua empresa de oferecer consolo e apoio em momentos de luto, mantendo-se sempre atento às formas como esses avanços podem melhorar a experiência das famílias que atende.

A história de Nilo Vila é um testemunho da capacidade humana de encontrar propósito e satisfação em ajudar os outros, mesmo em circunstâncias desafiadoras. Seu compromisso com a empatia, a inovação e o cuidado familiar não apenas perpetuou o legado da Casa Mortuária São Francisco das Chagas/Empresa Vila, mas também reforçou a importância de abordar a perda com dignidade, respeito e compreensão. Ao refletir sobre a jornada de Nilo, somos lembrados do valor incalculável da compaixão humana e de como ela pode transformar até os momentos mais sombrios em oportunidades para expressar amor e solidariedade.

Nova lei do CPF já está em vigor; advogado Igor Hentz explica o que mudou no documento

O Cadastro de Pessoa Física (CPF) se tornou o único número de identificação que aparecerá em documentos no Brasil a partir deste ano. A mudança acontece graças à Lei 14.534/23 sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no ano passado, e que entrou em vigor. Igor Hentz, advogado e sócio gestor da Hentz Advocacia explica o que mudou. Agora, segundo ele, o CPF será o único número de identificação aceito nas relações entre o indivíduo e o poder público. Isso significa que para solicitar quaisquer serviços públicos, será necessário ter CPF. Dessa forma, ficará dispensado, por exemplo, o número do Registro Geral (RG).

De acordo com Igor, a mudança representa uma verdadeira revolução administrativa e um avanço significativo no exercício da cidadania. “À medida que nos aproximamos do término da primeira fase de implementação dessa legislação, torna-se crucial refletir sobre os desafios superados, os progressos realizados e o que ainda está por vir”, explica. O Porquê da mudança? Dr. Igor responde: a Lei do CPF surgiu como uma solução para a complexidade e a ineficiência geradas pela existência de múltiplos documentos de identificação no Brasil. Esta fragmentação não só dificultava o acesso aos serviços públicos, mas também comprometia a segurança das informações e impedia a efetiva interoperabilidade entre diferentes órgãos governamentais. A centralização da identificação civil no CPF visa simplificar a vida do cidadão e otimizar a gestão pública, marcando um passo importante rumo à modernização e à inclusão digital.

A implementação da Lei do CPF, explica Igor, exigiu um esforço concertado dos órgãos e entidades públicas para atualizar e integrar sistemas e processos. Este período de adaptação, embora desafiador, foi também de progresso significativo, demonstrando a capacidade do Brasil de realizar transformações profundas em suas estruturas administrativas. A comunicação transparente e o compromisso com a eficiência foram fundamentais para superar as barreiras iniciais e garantir o sucesso desta fase.

Do ponto de vista jurídico, a Lei reforça os princípios de eficiência e modernização da administração pública, estabelecidos pela Constituição Federal. “A unificação dos documentos sob o CPF simplifica procedimentos e fortalece a segurança da informação. Socialmente, a lei é um marco na inclusão digital e social, facilitando o acesso a serviços essenciais e contribuindo para a redução de desigualdades”, acrescenta Hentz. À medida que prosseguimos na implementação desta legislação, a proteção dos dados pessoais e a privacidade dos cidadãos surgem como prioridades absolutas, afirma Igor. A centralização de informações requer políticas robustas de proteção de dados para prevenir abusos e assegurar a confiança no sistema. O compromisso com a segurança da informação e a transparência é indispensável para o sucesso contínuo deste projeto.

Portanto, conclui Igor, a Lei do CPF abre caminho para um Brasil mais moderno, onde a tecnologia e a simplificação de processos promovem uma interação mais eficiente entre o Estado e os cidadãos. “Este é um momento de reconhecimento dos desafios enfrentados e dos avanços alcançados, com um olhar atento às oportunidades e aos cuidados necessários para proteger os direitos dos cidadãos. Como advogado e observador atento das transformações na sociedade brasileira, vejo esta legislação como fundamental na construção de um país mais justo, inclusivo e eficiente. A Lei do CPF não é apenas uma mudança administrativa; é um passo em direção ao futuro que todos nós desejamos para o Brasil”, finaliza.

Informações à imprensa:
Mosaique Comunicação
http://mosaiquecomunicacao.com.br
Ulysses Freire – DRT 1716/RN – (84) 98829-4375

Fim de semana em Natal tem Paulo Ricardo, Junior Chicó e tributo a Coldplay; confira agenda cultural

A programação cultural do fim de semana em Natal conta com shows musicais, apresentações de comédia, peças de teatro e até evento geek. Entre os destaques, estão as apresentações do cantor Paulo Ricardo, do humorista Junior Chicó e do concerto em tributo a Coldplay.

Internacionalização de Empresas, Intercâmbios Acadêmico e Profissional são pauta de Missão da Fecomércio RN em Lisboa

 

Nesta sexta-feira, 1º, a missão técnica do Sistema Fecomércio RN que está em Portugal para a Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL participou, no escritório da Confederação Nacional do Comércio (CNC) na capital lusitana, de uma série de reuniões com entidades portuguesas, com o objetivo de identificação de novas oportunidades e fortalecimento de projetos existentes.

 

A Câmara de Inovação, Indústria, Comércio e Turismo Brasil-Portugal foi representada pelos diretores de Turismo, Territórios e Criatividade, Artur Braga; e de Cultura, Esporte e Novos Projetos, César Cronenbold.

 

Na ocasião, eles apresentaram o modelo de trabalho da entidade e oportunidades de desenvolvimento de projetos bilaterais. Entre os interesses comuns, os destaques foram para as áreas de internacionalização da operação de empresas brasileiras, sustentabilidade e governança de destinos turísticos.

 

“A partir desse encontro, nossa intenção é estabelecer uma agenda conjunta e estruturar um projeto que trabalhe os eixos de interesse que mapeamos”, explicou o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

 

O diretor de Turismo, Territórios e Criatividade da Câmara, Artur Braga, destacou o trabalho desenvolvido no contexto de cidades criativas, bem como a demanda cada vez maior do consumidor europeu para o turismo sustentável. “Temos muitas possibilidades de desenhar uma parceria muito proveitosa e que contribua de forma efetiva com o fortalecimento dos destinos do Rio Grande do Norte”, afirmou.

 

A secretária de Turismo do RN, Solange Portela, representou o Governo do Estado durante toda a agenda e reforçou a importância da atividade turística para a econômica local. “O turismo é nossa principal vocação e o Governo do Rio Grande do Norte tem trabalhado com o apoio do Sistema Fecomércio em diversas vertentes. Estamos à disposição para contribuirmos em mais essa iniciativa”, destacou.

 

Delícias do Brasil

 

O Sistema Fecomércio RN, por meio do Senac, mantém parceria para construção de um projeto de intercâmbio de conhecimentos com a Escola Profissionalizante de Nazaré.

Na manhã desta sexta, ocorreu o lançamento de um Intercâmbio Profissionalizante, onde alunos e ex-alunos da entidade portuguesa terão a oportunidade de vir ao Hotel-Escola Senac Barreira Roxa, em Natal. Durante uma semana, eles poderão desenvolver competências com o curso de gastronomia regional “Delícias do Brasil”, além de apreciar roteiros turísticos e conhecer detalhes do funcionamento do Barreira Roxa, que é referência internacional em sustentabilidade e qualidade para hotelaria.

 

Para o diretor geral da Escola de Nazaré, Pedro Ferreira, esta colaboração representa “um marco significativo na promoção da excelência profissional e no enriquecimento cultural, proporcionando uma experiência única de intercâmbio para os alunos”.

 

Oportunidades Globais

 

Outro tema discutido foi a globalização de oportunidades de trabalho e a ampliação de intercâmbio profissional em Portugal para ex-alunos do Senac com a empresa Multitempo by Job&Talent. A diretora geral, Isabel Borges, a diretora Comercial e Marketing, Sara Ferreira, e a gerente de Atendimento, Helena Cardador, estiveram presentes no encontro.

 

A Multitempo by Job&Talent é uma agência de recrutamento parceira do Senac RN. Desde o início da cooperação, em 2022, cerca de 40 alunos já participaram de intercâmbio profissional, onde ficam, por seis meses, trabalhando em hotéis de grande porte portugueses, com todo auxílio no processo de documentação, salários e benefícios, tendo a oportunidade de vivenciar uma experiência de trabalho internacional e voltar para o mercado potiguar ainda mais preparados.

 

Para a diretora geral da Multitempo by Job&Talent, Isabel Borges, a qualidade técnica da formação fornecida pelo Senac RN é um grande diferencial. “Esse nível de capacitação é claramente percebido pelas empresas que são nossas clientes e temos a intenção de ampliar essa cooperação ainda mais”, finalizou.

 

Segundo o diretor Regional do Senac RN, Raniery Pimenta, neste primeiro semestre de 2024, outros 30 ex-alunos estão sendo recrutados para um novo ciclo de trabalho. Eles devem iniciar o processo de intercâmbio profissional até abril, as vagas são nas áreas de garçom, auxiliar de cozinha e cozinheiro.

 

Missão Técnica do Sistema Fecomércio RN

 

Comitiva do Sistema Fecomércio RN está em Portugal até 03 de março, participando da Bolsa de Turismo de Lisboa e cumprindo uma série de agendas técnicas. Na sequência, o grupo irá para Berlim, onde permanece até 08 de março, e integrará um conjunto de entidades brasileiras que são referências em turismo sustentável e que participarão da ITB Berlim, maior feira de turismo do mundo.

 

A missão é liderada pelo presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, e conta com a participação do coordenador da Câmara Empresarial de Turismo da entidade, George Costa, de diretores e técnicos do Senac RN e da Federação; além da delegação da Fecomércio PE, conduzida pelo presidente Bernardo Peixoto Sobrinho, e da Fecomércio Amapá, pelo presidente Ladislao Monte.

Sexta de celebrações

Festejos para os amigos bacanas Rogério Santos, Dequinha Dantas e Duda Santos.

Rogério Santos ganha festejos deste amigo, de Anisinho Barreto e da musa Maruska Santos

Riane Matoso em festejos para o love Dequinha Dantas

Duda Santos recebe festejos da musa Tininha Santos e do casal amigo Eudes/Cynthia Varella

Bebeto Torres

Sistema Fecomércio RN conhece práticas do melhor Centro de Formação em Turismo de Portugal

 

Comitiva visitou a Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Estoril (ESHTE) para prospectar novas parcerias

 

O segundo dia da missão técnica do Sistema Fecomércio RN teve como foco o intercâmbio de experiências de formação profissional, com visita à Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Estoril (ESHTE), premiada como melhor Centro de Formação em Turismo de Portugal.

 

Na ocasião, o presidente da entidade, Carlos Brandão, o vice-presidente, João Reis, e a diretora de Relações Internacionais, Cláudia Pena, apresentam o portfólio, principais projetos e a estrutura da ESHTE.

 

A Escola foi criada em 1991, sendo uma instituição pública de ensino superior politécnico, tutelada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal.

 

O presidente Brandão explicou que a entidade é responsável pela criação, transmissão e difusão de conhecimentos relacionados as áreas do Turismo, da Hotelaria e da Restauração, visando a interação com o mercado de trabalho nas perspectivas acadêmica, da prática profissional e da adequação às oportunidades de exercício da atividade.

 

“Somos um centro de excelência no apoio ao desenvolvimento da atividade turística e hoteleira, profissional e empresarial de Portugal. Esses momentos são muito proveitosos, pois também conhecemos práticas diferenciadas”, afirmou.

 

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, destacou a importância da visita técnica. “Foi muito proveitoso, pois tivemos a oportunidade de discutir temas como sustentabilidade, interação com o mercado de trabalho e qualidade do ensino, especialmente com foco em tecnologias educacionais e desafios do ensino superior, área que o Senac RN passará a atender em 2025 com cursos tecnólogos e pós-graduação”, afirmou.

 

O diretor regional do Senac RN, Raniery Pimenta, reforçou que este foi um primeiro contato. “A partir de agora, iremos aprofundar as discussões para construirmos uma agenda conjunta baseada nos temas de interesse levantados”, explicou.

 

Missão Técnica

 

Comitiva do Sistema Fecomércio RN está em Portugal até 03 de março, participando da Bolsa de Turismo de Lisboa e cumprindo uma série de agendas técnicas. Na sequência, o grupo irá para Berlim, onde permanece até 08 de março, e integrará grupo de entidades do Brasil que são referências em turismo sustentável e que participarão da ITB Berlim, maior feira de turismo do mundo.

 

A missão é liderada pelo presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, e conta com a participação do coordenador da Câmara Empresarial de Turismo da entidade, George Costa, de diretores e técnicos do Senac RN e da Federação; além da delegação da Fecomércio PE, conduzida pelo presidente Bernardo Peixoto Sobrinho, e da Fecomércio Amapá, pelo presidente Ladislao Monte.

Deepfakes e democracia: O desafio da manipulação audiovisual nas eleições

 

Jurista do CEUB analisa decisão aprovada pelo TSE, que prevê punição ao candidato por uso inadequado de Inteligência Artificial

Na última terça-feira (27), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou novas regras para as eleições municipais de 2024, incluindo medidas sobre o uso de Inteligência Artificial (IA) nas campanhas. As regras exigem a identificação de conteúdos manipulados por IA, limitam o uso de chatbots e avatares na comunicação da campanha e proíbem o uso de deepfake. Carolina Jatobá, professora de Direito Digital do Centro Universitário de Brasília (CEUB) explica que a relação entre tecnologia e democracia sempre foi complexa, mas com o avanço da inteligência artificial (IA) e sua capacidade de criar deepfakes, essa relação atingiu um novo patamar de desafios.
De acordo com a jurista, as deepfakes, vídeos manipulados para parecerem autênticos, apresentam uma ameaça significativa ao processo democrático, permitindo a disseminação de desinformação de maneira convincente e de difícil detecção. Segundo Carolina, historicamente, as eleições foram moldadas por uma série de fatores, desde debates públicos até escândalos de corrupção. No entanto, com o surgimento das deepfakes, uma nova variável entrou em jogo.
“Um exemplo marcante é a suposta hesitação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em responder sobre a existência de Deus durante uma entrevista, o que supostamente custou sua eleição para Jânio Quadros. Embora o impacto preciso dessa declaração na eleição seja difícil de quantificar, é inegável que as deepfakes introduzem uma nova dinâmica, na qual a verdade pode ser manipulada de maneira convincente sem o conhecimento ou consentimento dos candidatos”, rememora a especialista.
Parafraseando Churchill “a democracia é a pior forma de governo, à exceção de todas as demais”, a professora de Direito do CEUB afirma que é difícil imaginar que ele antecipasse os desafios que as deepfakes representariam para a democracia moderna. Ela frisa que, em vez de promover um debate inclusivo e informado, a disseminação de deepfakes alimenta a polarização e mina a confiança no processo democrático. À medida que as pessoas são expostas a informações falsas que parecem genuínas, torna-se cada vez mais difícil distinguir entre fato e ficção.
Segundo Carolina Jatobá, um dos aspectos mais preocupantes das deepfakes é a rapidez com que podem se espalhar e influenciar as percepções do eleitorado. Ao contrário dos escândalos tradicionais, nos quais os fatos podem ser contestados e esclarecidos ao longo do tempo, a advogada menciona que as deepfakes têm o potencial de causar danos irreparáveis antes mesmo que a falsidade seja exposta. “Esta capacidade de manipular a verdade em tempo real representa um desafio significativo para os defensores da democracia”, destaca.
Para Jatobá, uma abordagem mais promissora pode ser colocar a responsabilidade nas próprias plataformas de mídia social. Exigir que essas plataformas informem os usuários sobre o uso de IA em vídeos pode capacitar o eleitorado a discernir entre conteúdo autêntico e deepfakes. Além disso, as plataformas poderiam ser responsabilizadas por permitir a disseminação de deepfakes sem verificar sua autenticidade.
“No entanto, mesmo essa abordagem tem limitações.” A docente crê que a contrainteligência artificial perfeita só pode ser oferecida por aqueles que criam a tecnologia, e até que isso aconteça, o público deve permanecer vigilante e crítico em relação ao conteúdo que consome.  “Em última análise, a defesa da democracia contra as deepfakes exigirá uma abordagem multifacetada que envolva governos, empresas de tecnologia e indivíduos em todo o mundo”, arremata.

Posse e Porte de Arma: Qual a Diferença?

Tony Santtana

 

Dr. Tony Santtana, advogado especialista em legislação armamentista, traz orientações sobre a posse e o porte de arma de fogo.

Na manhã da última quarta-feira (28), um estudante de 17 anos levou uma arma para o colégio em Alexânia, no entorno do Distrito Federal. O jovem, que estava com colegas e sua namorada, ao manusear o revólver, acabou efetuando um disparo e acertando o pé de um colega de 16 anos, que foi levado ao hospital e passa bem. Ao ser interrogado, o jovem informou que a arma pertencia ao seu sogro, que é CAC, sigla para Caçador, Atirador e Colecionador.

Para entender melhor sobre o assunto, consultamos o advogado especialista em legislação armamentista, Dr. Tony Santtana. “O CAC, ao não se atentar e adotar as medidas necessárias para impedir que o jovem de 17 anos pegasse sua arma, responderá por omissão de cautela, prevista no artigo 13 da Lei 10.826, o famoso estatuto do desarmamento. A pena pode chegar a detenção de 1 a 2 anos, e multa”, comenta Dr. Tony Santtana.

Segundo o especialista, muitas pessoas se confundem com o significado da palavra “porte” de arma: “pessoas que não são conhecedoras do assunto acabam dizendo que o CAC tem porte de arma, sendo o termo correto “posse” de arma”, complementa.

O termo “porte de arma”, segundo Dr. Tony Santtana, somente deve ser usado para quem tem a autorização para andar ou utilizar o armamento, o que é mais comum para profissionais de segurança pública, membros das Forças Armadas, policiais, agentes de segurança privada e aqueles que tiveram sua integridade física ameaçada e receberam o porte pela Polícia Federal.

Já a posse de arma é mais comum para os famosos “CACs” e é “a autorização para possuir uma arma de fogo e utilizá-la para fins específicos, como treinamentos, competições, coleção e caça”, finaliza Dr. Tony Santtana.

Quem tem o direito à posse de arma deve atentar-se a mantê-la desmuniciada e com o carregador sempre sem munições, conforme o Decreto 11.615, publicado em 21 de julho de 2023.

Tony Santtana Tony Santtana

Automedicação em casos de dengue pode agravar complicações da doença

 

Número de casos de dengue têm aumentado no país, segundo o Ministério da Saúde; pesquisa aponta que 75% dos focos estão nas residências e evitar procriação do Aedes aegypti é caminho para prevenção

Somente em 2024, o Brasil já registrou mais de meio milhão de casos de dengue. Os dados são do Painel de Arboviroses, do Ministério da Saúde, e a projeção do órgão é que o país atinja um recorde nacional e registre 4,2 milhões de casos da doença neste ano. Neste cenário, é imprescindível redobrar os cuidados para eliminar os focos do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da doença e de outras, como zika e chikungunya. Além disso, para quem está com algum dos sintomas da doença, a orientação é não se automedicar, porque, em casos de dengue, a prática pode agravar a situação.

“A automedicação apresenta sérios riscos à saúde e, em caso de dengue, não é diferente. Os sintomas podem ser mascarados pelos medicamentos utilizados, dificultando o diagnóstico preciso, e o uso inadequado de medicamentos podem agravar os sintomas”,  alerta a farmacêutica Kátia Tichota.

A profissional, que também é professora do curso de Farmácia da Estácio, explica que alguns remédios – como os anti-inflamatórios não esteroides – podem agravar complicações comuns à doença e levar o paciente a um choque hemorrágico, que pode resultar em óbito

Diante da suspeita de ter sido picado pelo Aedes aegypti, a profissional explica que o correto é não se automedicar, e sim procurar atendimento médico imediatamente para relatar ao profissional de saúde todos os sintomas e detalhes relevantes. Exames laboratoriais específicos podem confirmar a presença do vírus da dengue e, assim auxiliar no diagnóstico diferencial com outras enfermidades.

Sintomas da doença

Enfermeira e professora do IDOMED, Sandra Bonilha explica que, geralmente, a primeira manifestação da doença é a febre. “Geralmente, acima de 38ºC, de início abrupto e com duração de dois a sete dias, associada a dor de cabeça, fraqueza, dores musculares, dor nas articulações e dor retro-orbitária (dor ao redor dos olhos). Perda de apetite, náuseas, vômitos e diarreia também podem se fazer presentes”, explica.

De acordo com Sandra Bonilha, em casos de sintomas, o indicado é aumentar a ingestão de água e sempre procurar uma unidade de saúde.

Prevenção dentro de casa

O Ministério da Saúde divulgou recentemente os resultados do 3º Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) e do Levantamento de Índice Amostral (LIA) de 2023. Os números indicaram que 74,8% dos criadouros do mosquito da dengue estão nos domicílios, como em vasos e pratos de plantas, garrafas retornáveis, pingadeira, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros em geral, pequenas fontes ornamentais e materiais em depósitos de construção (sanitários estocados, canos, etc.).

O levantamento apontou, ainda, que depósitos de armazenamento de água elevados (caixas d’água, tambores, depósitos de alvenaria) e no nível do solo (tonel, tambor, barril, cisternas, poço/cacimba) aparecem como segundo maior foco de procriação dos vetores, com 22%, enquanto depósitos de pneus e lixo têm 3,2%.

Neste cenário, a melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, eliminando os prováveis criadouros – como pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção; e recipientes pequenos, como tampas de garrafa. A recomendação do Ministério da Saúde é que a população faça uma inspeção semanal em casa.

“Além de manter bem tampados caixas, tonéis e barris de água, é importante colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira sempre bem fechada; não jogar lixo em terrenos baldios; se for guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha-as sempre com a boca para baixo; deixar ralos limpos e com aplicação de tela; limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia; limpar com escova ou bucha os potes de água para animais”, salienta Sandra Bonilha.