Exposição: um recorte dos antigos povos da Amazônica

O Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN) segue mantendo a regularidade de sua revista, dando a cada nova edição um ar mais moderno, com diagramação atraente e riqueza de imagens. A publicação, lançada pela primeira vez em 1903, chegou neste mês de setembro a sua 97ª edição, trazendo um conteúdo abrangente, distribuído ao longo de 277 páginas. A revista já está à venda na sede da IHGRN, na rua da Conceição, na Cidade Alta e pode ser adquirida pelo valor de R$ 50.
Peças fazem parte do Museu da Universidade de Coimbra
Peças fazem parte do Museu da Universidade de Coimbra

Nesta edição a revista traz como destaque a primeira parte da série “Dossiê temático Municípios do RN”. O dossiê se propõe a apresentar a história do Estado a partir da história de cada um dos seus 167 municípios, escrita por representantes locais. Nesta primeira parte aparecem 39 cidades, dentre as quais, Olho D’água do Borges, Arês, Canguaretama, Felipe Guerra, Grossos, Jardim de Piranhas, Jucurutu, Parelhas, Pau dos Ferros, São Tomé.

Segundo o editor da revista, o jornalista Gustavo Sobral, o dossiê se inspira em ações semelhantes realizadas em edições antigas, mas com a diferença de descentralizar a produção do conteúdo e trazendo novos autores. “Pesquisadores ou não, eles trazem um olhar atual sobre os municípios. São pessoas que estudam a cidade e já escreveram sobre”, diz.
Um instrumento musical chamado Polvorinho
Um instrumento musical chamado Polvorinho

 

Outro destaque desta edição é a seção Álbum Fotográfico, que visa propagar o acervo de imagens do Instituto. No caso da edição atual, o álbum recuperado é um material inédito referente ao processo de perfuração de poços público no RN, entre 1937 e 1938. “A publicação do álbum na íntegra e com todos os seus detalhes visa disponibilizar o material adequadamente para que sirva como fonte de pesquisa. Muitos detalhes sobre as fotos, inclusive o contexto em que elas foram feitas, nós não temos. É nosso interesse que as pessoas se interessem pelo conteúdo e venha a pesquisar”, conta Gustavo.
Cabeça mumificada usada em rituais indígenas, além de escultura zoomorfa em prancheta e máscaras são peças do acervo registras em fotos
Cabeça mumificada usada em rituais indígenas, além de escultura zoomorfa em prancheta e máscaras são peças do acervo registrados em fotos

O editor tem dosado na revista do IHGRN diferentes formatos de textos e seções. Além do dossiê e do álbum fotográfico, o conteúdo é composto por ensaios, artigos, discursos proferidos na instituição e resenhas de livros – sempre preservando o estilo dos autores e abordando essencialmente temas do RN. A capa desta edição exibe a primeira imagem registrada sobre o RN que se tem notícia: uma pintura do holandês Frans Post feita durante comitiva de Maurício de Nassau. O IHGRN tem uma réplica da pintura. O original pertence ao Museu do Louvre em Paris. “A cada edição temos buscado fazer um diálogo entre presente e passado. Diferente de outras revistas, nosso conteúdo é pensado para ser acessível a qualquer tipo de público”, informa Gustavo Sobral.