Cálculo da inflação vai incluir apps de transporte e streaming a partir de 2020

G1

Os novos hábitos de consumo dos brasileiros vão mudar também os dados que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) usa para fazer o cálculo da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A partir de janeiro, saem da conta itens cujo peso ficou menor no orçamento das famílias, como aparelhos de DVD, máquinas fotográficas, microondas e liquidificadores; e entram serviços e produtos que ganharam importância na última década, como transporte por aplicativos, serviços de streaming, tratamento de animais domésticos e macarrão instantâneo (veja a lista completa na tabela abaixo).

As mudanças são resultado dos dados coletados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, divulgada na semana passada, e que mostrou mudanças nos hábitos de consumo, despesas e renda das famílias. A nova estrutura do IPCA vai considerar 377 produtos e serviços, com seis subitens a menos que a divulgada atualmente.

“Ficamos muito tempo sem ter uma POF e temos uma mudança cada vez mais rápida no padrão tecnológico. Tivemos a saída de alguns itens que realmente não encontramos mais. Ao mesmo tempo, tivemos a entrada de produtos que estão no cotidiano de milhões de brasileiros”, explicou em nota o gerente de Índice de Preços do IBGE, Pedro Kislanov.