Verão seguro: médico destaca orientações para evitar acidentes aquáticos

 

De acordo com o Ministério da Saúde, nove em cada dez pessoas que sofreram acidente por mergulho ficaram tetraplégicas; médico do Hospital Promater reforça alerta

Verão é o período que aumenta muito a frequência de banhistas nas praias, mas são necessários alguns cuidados para garantir a segurança em mergulhar. Um simples mergulho, feito em local inapropriado ou em águas rasas, pode resultar em sérias lesões e comprometer a mobilidade do banhista. De acordo com o Ministério da Saúde, nove em cada dez pessoas que sofreram acidente por mergulho ficaram tetraplégicas e o aumento está associado aos chamados “acidentes de verão”, que envolvem lesões causadas por quedas e mergulhos em piscinas, praias, cachoeiras e rios.

O neurologista especialista em patologias da coluna vertebral do Hospital Promater, Márcio Ramalho, enfatiza a importância de medidas preventivas. “Sempre que você não conhecer o ambiente e a profundidade da água, nunca pule de cabeça. E se você não sabe executar um mergulho, dê preferência a entrar na água sem pular. Qualquer brincadeira pode oferecer risco”, ressalta o médico.

“Aos sinais de inconsciência, afogamento sem defesa, incapacitação de fala ou mal-estar, pressão baixa e imobilidade dos braços e pernas para sair da água, busque imediatamente o socorrista para que direcione ao serviço local mais próximo”, explica o especialista.

Confira mais orientações do especialista para evitar acidentes aquáticos:

  1. Não entre ou mergulhe na água se estiver sob efeito de álcool;
  2. Evite saltar de locais muito elevados e arriscar saltos ornamentais;
  3. Ao planejar um mergulho, faça uma inspeção prévia da área: observe a profundidade do local e a presença de obstáculos como pedras;
  4. Não permita nem participe de brincadeiras enquanto estiver nadando ou mergulhando;
  5. Ao mergulhar, estenda os braços ao lado da cabeça para protegê-la;
  6. Nunca mergulhe de cabeça.

Sendo assim, é indispensável os cuidados básicos ao realizar mergulhos em águas desconhecidas, evitando problemas graves na coluna vertebral.