GRIFE LANÇA CAMISETAS DEBOCHANDO DE ÍDOLOS DO FUTEBOL

A grife brasileira Sergio K. foi acusada de homofobia depois de lançar uma linha de camisetas inspiradas na Copa do Mundo de 2014, segundo informações do jornal Folha de S.Paulo. A marca criou estampas jocosas sobre algumas personalidades do futebol, mas acabou criando polêmica com as estampas “C. Ronaldo is gay” (Cristiano Ronaldo é gay) e “Maradona Maricón” (Maradona bicha). A coleção causou revolta em internautas, e duas petições foram registradas.

O estilista Sergio Luiz Kamalakian Savone, que assina a grife, se defendeu das acusações. “A coleção tem a veia irreverente da marca e foi feita para quem quer torcer pelo Brasil, mas não quer usar camisa da Seleção. É uma resposta a tudo o que o Maradona já disse ao Brasil, ao Pelé. Não é homofóbica. Para mim, homofobia é outra história: não contratar gays, agredi-los… as camisetas não incitam violência”, disse Sergio K. ao jornal. Além de Cristiano Ronaldo e Maradona, a grife provocava o centroavante italiano Mario Baloteli (chamado de perdedor), o ex-meia francês Zinedine Zidane (“acabado”) e o atacante argentino Lionel Messi (“cabrón”, gíria em castelhano que possui inúmeras traduções, como “chato”, “covarde” e “mau caráter”, dentro outros). Cada peça custa R$ 189,90.

Camiseta que chama Cristiano Ronaldo e Maradonna de gays.

Camiseta que chama Cristiano Ronaldo e Maradonna de gays.